sábado, 16 de janeiro de 2010

FARRA COM O DINHEIRO PÚBLICO

Somente a despesa dos dez parlamentares que mais gastaram com combustível nos últimos nove meses de 2009 daria para bancar 291 viagens de carro, com a gasolina a R$ 2,80, entre as duas capitais mais distantes do país, Porto Alegre (RS) e Boa Vista (RR), separadas por 5.348 km, segundo reportagem do site Congresso em Foco. Esses dez senadores consumiram R$ 436.633,62 da chamada verba indenizatória para ressarcir despesas que tiveram com combustíveis e lubrificantes somente entre os meses de abril e dezembro. O valor é suficiente para comprar 155.904 litros de gasolina, o que dá para encher o tanque de 31.188 automóveis.
A verba é suficiente para percorrer 343 vezes a rodovia mais extensa do Brasil, a BR-101, com seus 4.551 km, que ligam o Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. Daria também para inspecionar as condições de toda a malha rodoviária asfaltada do território nacional nove vezes. Para gastar toda a quantia de combustível, os dez senadores teriam que rodar 1,5 milhão de km. Daria para percorrer 115 vezes o diâmetro da Terra, que é de 13 mil km.

JOVEM DE 19 ANOS É ASSASSINADA EM SARANDI

O primeiro homicídio do ano em Sarandi aconteceu na noite desta sexta-feira (15), no jardim Cometa.
A vítima que trabalhava na Empresa Palmali em Maringá é Gisele Silva Barbosa 19 anos.
Segundo a polícia civil, o autor do homicídio efetuou cinco disparos de arma de fogo, matando a jovem no local.
De acordo com as investigações da polícia civil de Sarandi, o crime pode ter sido passional e, deverá ser esclarecido nas próximas horas.
Informações dão conta ainda que, a jovem estava namorando, e morava na casa de um padrinho.

CONCURSO PÚBLICO

De acordo com o a assessoria de Imprensa da prefeitura de Sarandi, o edital do concurso público, deverá ser publicado só na quarta-feira (20).
Vale lembrar que este concurso deveria ter o seu edital publicado na última terça-feira (12), mais agora ficou para próxima semana.
Aliais, já é uma marca desta administração, anunciar e não executar.