quinta-feira, 29 de abril de 2010

Justiça condena Clodovil, morto em 2009, a pagar indenização para Ronaldo Ésper

A Justiça condenou o estilista e deputado federal Clodovil Hernandez a pagar R$ 5.000 de indenização por danos morais ao estilista Ronaldo Ésper. Clodovil morreu em março de 2009, mas a Justiça autorizou o pagamento da sentença através do seu espólio.

A decisão foi tomada no dia 13 de abril pela juíza Maria Carolina Mattos, da 14ª Vara Cível de São Paulo. O processo foi aberto em 24 de agosto de 2005, após Clodovil ter dito durante entrevista a uma revista que Ésper roubou obras de arte na Itália.

O valor da sentença proferida pela juíza é metade do valor pedido por Ésper, de R$ 10 mil. A decisão foi tomada em primeira instância e ainda cabe recurso.

Despacho do Juiz da Comarca de Sarandi Dr. Loril sobre a ação de improbidade contra prefeito De Paula e vereadores

Autos nº 288/07 I - Deixo de receber o apelo de fls. 550/587, pois que não veio acompanhado do comprovante de recolhimento dos portes de remessa e retorno, como exige o art. 511 do CPC e foi certificado à fl. 587-verso.Indefiro o benefício da justiça gratuita pleiteado por dois desses requerentes (fls. 630/633), somente na presente data, com o visível intuito de tentar viabilizar o processamento do apelo deserto referido acima.E mesmo que deferida fosse a gratuidade, a mesma teria aplicação somente para os atos posteriores ao seu requerimento (inclusive a eventual execução da sucumbência, ainda que fixada anteriormente), mas não para isentar do preparo de um recurso já protocolado há mais de dois meses, no qual não houve qualquer menção sobre a necessidade de dispensa do pagamento recursal.Além disso, é absurdo esse requerimento agora apresentado, de concessão da justiça gratuita para duas pessoas que exercem o cargo de vereador em uma cidade cuja população é de quase 100.000 habitantes (portanto, possuem uma remuneração certamente considerável), sem prejuízo das atividades profissionais que já exerciam antes e continuam exercendo paralelamente, tanto que se qualificaram às fls. 631 e 633 como corretor autônomo e cabeleireiro, respectivamente.Por fim, pesa como mais uma fundada razão para o indeferimento do pedido (art. 5º, 'caput', da Lei nº 1.060/50) o fato de os mesmos solicitantes terem contratado um advogado de certo renome na área do direito público e que tem escritório na capital do Estado. Se fossem pobres, como oportunamente agora alegam, não teriam ido tão longe.Portanto, deve o Ministério Público se manifestar sobre seu interesse na expedição de carta de sentença para a execução do julgado em relação àqueles contra quem ocorreu a coisa julgada, antes da subida dos autos ao Tribunal de Justiça. II - Recebo o apelo de fls. 589/611, em seu duplo efeito.Recebo também as contrarrazões de fls. 612/628.Abra-se vista ao Ministério Público para contra-arrazoar.Intimem-se.

Bombom envenenado mata menino de 6 anos

Um menino de 6 anos morreu, nesta quarta-feira (29), depois de comer um bombom envenenado, que foi enviado para a tia dele, de 17 anos, em Itabaiana (SE), no sábado (10).

Ele ficou internado por 19 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgência de Sergipe. A tia dele chegou a comer metade de um dos bombons, mas deixou o doce de lado após perceber um gosto amargo no chocolate.

Segundo informações do delegado Paulo Cristiano Alves Ricarte, uma cesta com chocolates foi enviada para a tia do menino, no aniversário dela, por uma professora, que suspeitava de um caso extraconjugal de seu marido com a adolescente. Um bilhete estava junto com os bombons afirmando que os doces eram especiais.

"Ela foi presa [dia19] após um mandado de prisão temporária. Em depoimento, ela nos confessou que ficou com ciúmes do marido e mergulhou os bombons em veneno de rato diluído em água. A jovem e o marido da professora negaram, em depoimento, que mantinham um caso extraconjugal", disse Ricarte.

O delegado informou ainda que o marido da professora disse, em depoimento, que chegou a fazer uma proposta sexual para a adolescente. "Ele é comerciante e confirmou que propôs que a jovem fizesse favores sexuais para ele em troca da dívida de duas parcelas de R$ 120 de uma rifa, que ela atrasou por ter ficado desempregada."

Ricarte informou que um mandado de prisão preventiva foi expedido pela Justiça contra a professora, que deve permanecer presa até a conclusão do inqúerito policial.

(Com informações da TV Sergipe)

OPERAÇÃO INTEGRADA EM SARANDI


FOI REALIZADA NESTA MANHÃ DO DIA 29/04/2010, A PARTIR DAS 05:30HS, UMA OPERAÇÃO PELAS POLÍCIAS CIVIL E MILITAR, SENDO QUE A POLÍCIA CIVIL CONTOU COM EFETIVO DA DELEGACIA DE SARANDI E MARINGÁ, BEM COMO DO GRUPO TIGRE, E A POLICIA MILITAR CONTOU COM APOIO DE PM's DE SARANDI, MARINGÁ E DA ROTAM.
FOI REALIZADAS BUSCAS EM DIVERSAS RESIDÊNCIAS, NO JARDIM SOCIAL, JARDIM PAULISTA E JARDIM INDENPENDÊNCIA, MEDIANTE MANDADO JUDICIAL, SENDO PRESAS QUATRO PESSOAS POR TRÁFICO DE DROGAS, APREENDIDO CRACK E MACONHA EM QUANTIA CONSIDERÁVEL.
FOI APREENDIDO TAMBÉM DOIS VEÍCULOS QUE ESTAVAM EM SITUAÇÃO IRREGULAR.
A OPERAÇÃO ESTÁ SENDO DESENCADEADA EM VÁRIAS CIDADES DO ESTADO, COORDENADO PELO COC-COMANDO DE OPERAÇÕES INTEGRADAS, SUBORDINADA À SESP-SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA, SENDO QUE SARANDI FOI INCLUÍDO NA OPERAÇÃO DEVIDO A NOSSO PEDIDO.
NA ÁREA DO QUARTO BATALHÃO AS OPERAÇÕES ESTÃO SENDO REALIZADAS EM SARANDI, MARINGÁ, MARIALVA, PAIÇANDU E NA DIVISA COM O ESTADO DE SÃO PAULO (ITAGUAJÉ E SANTA INÊS).


TEN GUERREIRO, CMT PEL SARANDI
Nesta quarta-feira (28),foi realizada uma reunião na Câmara de vereadores de Sarandi, para tratar da criação do Observatório Social.

Participaram do encontro várias lideranças do município, e também do diretor institucional do Observatório de Maringá Sir Carvalho.

Ouça a entrevista

PREFEITO DE PAULA E QUATRO VEREADORES ATUAIS CONTINUAM ENROLADOS COM A JUSTIÇA

Sobre a ação de improbidade contra o prefeito Carlos de Paula e os vereadores Rafael do Povão, João Lara, Belmiro Barbeiro, Luiz Carlos Aguiar e os ex-vereadores Cleyton Damasceno e Claudionei Vitorino, o Juiz da Comarca de Sarandi Dr. Loril rejeitou o pedido de justiça gratuita feito pelo prefeito De Paula e os quatro vereadores atuais.

O Juiz afirmou no seu despacho que se puderam contratar um advogado de Curitiba e são vereadores e prefeito de uma cidade com 100 mil habitantes, não precisam de justiça gratuita.

Agora a ação esta no ministério público que tem 5 dias para decidir se caça ou não os mandatos do prefeito e dos atuais vereadores.