quinta-feira, 15 de julho de 2010

Aluna de 8 anos tem parada cardiorrespiratória e morre durante o recreio

Ainda abalados pela morte de uma colega de 8 anos, ocorrida na terça-feira (13), durante o recreio, os 340 alunos da Escola Municipal Evangélica, de Umuarama, voltam às aulas nesta quinta-feira (15). A menina sofreu uma parada cardiorrespiratória enquanto brincava com os colegas e foi socorrida, mas chegou sem vida ao Pronto Atendimento, conforme atestaram exames feitos por dois pediatras.


O secretário municipal de Saúde de Umuarama, Cláudio Francisconi; e a secretária de Educação, Silvia Oliveira, classificaram a morte da menina como uma fatalidade. Segundo eles, a escola não tinha informações sobre o histórico da estudante em relação a problemas de saúde.


Na terça-feira pela manhã, ela estudou normalmente, não reclamou de dores e saiu para o intervalo com os colegas. Quando brincava no pátio da escola, caiu desacordada. “Foi a primeira vez que ela desmaiou na escola”, disse a secretária.


O socorro foi prestado pelas professoras. No caminho, elas telefonaram para um hospital da cidade e foram orientadas a levar a paciente ao Pronto Atendimento, como é praxe na cidade em casos que não aparentam emergência. A direção da escola informou que a menina estava desacordada, mas sem ferimentos, e a expectativa era de que ela retomasse a consciência a qualquer momento.


No Pronto Atendimento, os médicos Deraldo Mancini e Humberto Santos verificaram que a menina estava sem batimentos cardíacos. Eles tentaram reanimá-la, mas ela não voltou a respirar. O corpo foi levado ao Instituto Médico Legal para coleta de material destinado a exames, que vão comprovar qual a causa da morte e devem ficar prontos em 30 dias.


A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o fato, especialmente se houve negligência do hospital ao pedir para as professoras levarem a estudante primeiro ao PA. Os pais da criança ficaram transtornados e não quiseram falar com a imprensa. O corpo da menina foi sepultado na tarde de terça-feira (13) no cemitério municipal.



Preso elemento que cometia estupros em clínicas odontológicas de Campo Mourão

Um dos homens mais procurados de Campo Mourão foi preso na manhã desta quinta-feira (15), no centro da cidade, que fica a 90 quilômetros de Maringá. Segundo a Polícia Civil, José Eurico de Freitas, 30 anos, confessou, durante o interrogatório, que estuprou cinco mulheres, tentou estuprar outras quatro e roubou dez pessoas. Das cinco mulheres estupradas, uma foi morta por ele logo em seguida.

Os crimes aconteceram nos últimos quatro meses, geralmente em clínicas odontológicas. O investigador Claudinei Pereira, da Polícia Civil, diz que Freitas agia nas primeiras horas da manhã, quando o comércio estava abrindo. "Ele entrava na clínica, estuprava mulheres e roubava alguma coisa, geralmente o celular”, afirmou.
Freitas foi encontrado pela Polícia Militar quando estava aparentemente prestes a cometer outro crime. “A PM estava passando por uma rua do centro, quando viu uma movimentação em uma clínica dentária”, contou o investigador. “Ao se aproximarem, os oficiais viram Freitas, cujas características físicas coincidiam com a relatada por várias vítimas de estupro.”

A mulher que ele estuprou e assassinou foi Terezinha Bambonatti, 44 anos. O crime aconteceu há cerca de duas semanas, no Jardim Modelo, onde Freitas mora. Como ele também tem antecedente criminal por tráfico de drogas, o investigador adiantou que a polícia investigará outros crimes dos quais ele pode ter participado, incluindo um homicídio ocorrido há dois meses.

O investigador acrescentou que 18 vítimas reconheceram Freitas na manhã desta quinta-feira (15) na delegacia. “Uma das mulheres que sofreu o estupro, aliás, passou mal e teve de ser socorrida”, contou.

Por conta da quantidade de crimes, o investigador disse que Freitas já é chamado de serial killer. A princípio, ele terá de responder pelos crimes de estupro, tentativa de estupro, estupro seguido de morte e roubo, que devem lhe render, pelo menos 50 anos de reclusão.



Brasileira com seios enormes corre risco de morte

Asheley Hershey pode pagar o preço pela obsessão por próteses de silicone gigantes

ReduzirNormalAumentarImprimirA modelo brasileira Sheyla Hershey, de 29 anos, que ficou conhecida no mundo inteiro por possuir um dos maiores seios do planeta, pode sofrer graves consequências por sua obsessão: a moça, que mora nos EUA e é casada com um dos herdeiros de uma famosa marca de chocolates, tenta se recuperar de uma violenta infecção bacteriana, segundo o Daily Mail.

O drama de Sheyla, que já teve 5,5 litros de silicone em cada seio, começou quando, após retirar as próteses por causa da gravidez, em 2009, ela voltou ao Rio de Janeiro para colocar novos implantes, o que ocasionou os problemas de saúde.

De acordo com a publicação, a famosa corre o risco de perder uma das mamas ou a própria vida, caso a infecção chegue à corrente sanguínea. Para evitar a tragédia, Sheyla foi internada às pressas em um hospital para fazer um tratamento à base de antibióticos e controlar a propagação das bactérias.

Após debate intenso, Senado argentino aprova o casamento gay

Em Buenos Aires, multidão pró e contra acompanhou a votação que acabou por aprovar a histórica decisão

ReduzirNormalAumentarImprimirA Argentina se tornou na madrugada desta quinta-feira o primeiro país latino-americano a autorizar o casamento homossexual, após um acalorado debate que durou quase 15 horas no Senado e refletiu a profunda divisão política e social que vive o país. O projeto de lei impulsionado pelo governo de Cristina Fernández Kirchner foi aprovado por 33 senadores, com 27 votos contra e três abstenções, em sessão classificada como "histórica" pela imprensa local.

Durante a votação, milhares de pessoas se manifestaram em frente ao Congresso a favor e contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Em mais de seis horas de debate na Câmara Alta, dezenas de senadores expuseram suas opiniões sobre o projeto de lei impulsionado pelo governo para legalizar a união homossexual.

Cartazes gigantescos com palavras de ordem como "Só homem e mulher" ou "Eu quero um papai e uma mamãe" estavam nas mãos de grupos contrários ao casamento homossexual, que carregam imagens religiosas e rezavam com terço na mão para pedir a rejeição da proposta governamental. Ao lado, grupos de defesa dos direitos humanos e coletivos homossexuais reivindicam o casamento entre pessoas do mesmo sexo com palavras como "Tirem a batina" e "Tirem seus rosários de nossos ovários", apoiados por organizações governistas.

A lei "representaria o reconhecimento de todos os direitos que implica o casamento e também o acesso à igualdade perante a lei, que é uma ferramenta indispensável para conseguir a igualdade social", sustentou a titular da Federação de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais da Argentina (FALGBT), María Rachid.

Já Jorge Vertín, um dos manifestantes contra o casamento homossexual, está convencido de que "é um pensamento universal que só um homem e uma mulher podem casar. O casamento entre pessoas do mesmo sexo se trata de uma conduta desviada e que perverte a ordem natural", afirma.

Comentários semelhantes foram ouvidos no Senado argentino, como o da senadora Sonia Escudero que, apesar de governista, rejeita o casamento homossexual por considerar que "a relação homem-mulher é fértil, a relação homossexual é estéril, e como é diferente é preciso dar-lhe uma regulação diferente".

No extremo oposto, Luis Juez, da opositora Frente Cívica, optou por apoiar ao governo porque, embora se apresente como "cristão", entende que "nem na Bíblia há um parágrafo onde Cristo fosse contra os homossexuais" e aposta por centrar o debate na modificação do código civil, "uma instituição laica, em um país laico". O também opositor Arturo Vera, no entanto, diz não aceitar que "a união de heterossexuais e a de homossexuais seja a mesma coisa".

Apenas quatro cidades argentinas admitiam a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Desde dezembro, pelo menos oito casais homossexuais se casaram no país mediante recursos judiciais, mas alguns enlaces foram posteriormente cancelados.

A Lei de União Civil da cidade de Buenos Aires, aprovada no final de 2002, foi o primeiro antecedente no país e o primeiro reconhecimento dos casais homossexuais na América Latina.

Homem encontra R$ 45 mil em cheques na rodovia e devolve ao dono

Os proprietários de um supermercado em Arapongas tiveram muita sorte nesta quarta-feira (14). Após serem roubados, conseguiram reaver cerca de R$ 45 mil em cheques, levados do estabelecimento. As folhas de cheques foram encontradas jogadas ao longo da PR-444, entre Mandaguari e Arapongas, por um funcionário da Rota Norte - empresa de limpeza terceirizada pela Viapar, a concessionária que administra a rodovia.

Jair Moreira, de 37 anos, levava operários para a limpeza da via quando avistou os cheques no chão. Parou, recolheu todos os papéis e levou à administração da empresa, que acionou a Polícia. Logo em seguida, os cheques foram entregues à direção do supermercado. O estabelecimento havia sido assaltado no último domingo (11).

Suspeito de abusar sexualmente de seis crianças e adolescentes é preso em Maringá

De acordo com a Polícia Civil de Maringá, foi preso na tarde desta quarta-feira (14), um homem de 56 anos acusado de abusar sexualmente de seis crianças e adolescentes com idades entre 10 e 14 anos. Segundo o delegado Nilson Rodrigues, as vítimas são de ambos os sexos e estão recebendo acompanhamento psicológico.

As investigações sobre o caso começaram em maio, depois que a mãe de um garoto de 10 anos procurou a delegacia e relatou que o filho vinha sofrendo abusos do suspeito. Depois da abertura do inquérito, a polícia identificou outras cinco crianças que também teriam sido molestadas.

Com isso, a justiça expediu mandado de prisão temporária contra o homem, cumprido nesta tarde. Ele deverá ser interrogado após o psicólogo que está acompanhando as vítimas concluir o laudo sobre o caso. De acordo com o delegado, as crianças e adolescentes também serão ouvidos, mas em companhia dos pais.