Política por vocação sim, não por profissão


2012 esta chegando, e novamente teremos os políticos profissionais atuando em nosso município. Eles não o são por vocação, por competência ou por conhecimento, o são por profissão.

O político profissional, embora a nomenclatura possa confundir, não é aquele que, eleito para um cargo público pelo eleitorado, consegue sucessivos mandatos e vive dentro do meio político, obtendo seu sustento de seus vencimentos advindos dos nossos impostos. Até porque esse político pode muito bem ter uma trajetória de grande espírito cívico, servidão à população e realizações. O profissional é aquele que só se elege com o intuito de obter três coisas: Os salários, as mordomias e o status.

Já ocorre há tempo esse fenômeno de termos pessoas que encaram a política como profissão na nossa querida Sarandi. Temos agora as pessoas que se porta com a vontade de atingir cargos, de poder usufruir dos benefícios do mesmos. Elas servem aos outros querendo algo em troca e não por serem solidários, e não por sentir um compromisso interno de fazer a diferença. A política para elas é fim e não consequência.

Existiu um tempo em que o político era, normalmente, mais sábio. Isso ocorria não só pelo fato de ele ter tido uma profissão normal, como qualquer outra, antes de entrar para a política, como também pelo fato de ele encarar a política como um serviço público. Ele tinha em mente trabalhar para o povo e receber uma compensação financeira em troca, e não, obter um gordo salário e prover uma pequena compensação em trabalho parlamentar, que aliás, cá para nós, ainda diminuiu de intensidade com o tempo e com o aumento das folgas, férias, licenças e afins.


O que prego é que não tenhamos políticos que olhem para frente e enxergue na política cargos para acomodar os amigos, poder para dar carteiradas, dinheiro para mudar de vida ou status para sua vida social. Isso sem falar dos que entram para a política pensando em usufruir do foro privilegiado e das facilidades no judiciário ou em se unir a verdadeiros bandidos em esquemas de propina e desvio de dinheiro público.


É com políticos corretos que faremos política, e não, politicagem ou politicalha, que é o que, na verdade, vemos hoje na nossa querida Sarandi.

Precisamos de políticos servidores e não superfaturadores,precisamos de mais ética, mais moral e mais cidadania

Sarandi precisa de políticos por vocação e não profissão.

Por Valdir Costa

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse