Sorteadas casas do Residencial Mauá em Sarandi


Cerca de 800 pessoas estiveram nesta sexta-feira (1), no Ginásio de Esportes Tancredo de Almeida Neves,em Sarandi, para o sorteio das casas do Conjunto Mauá. A Prefeitura, a Monolux e a Caixa Econômica Federal (CEF), sortearam 343 casas que foram construídas dentro do Programa Minha Casa Minha Vida. Neste projeto, foram investidos cerca de R$ 15 milhões reais. As novas casas ficam próximas ao Conjunto Floresta, têm 42 metros quadrados de área construída, dois quartos, sala, cozinha, banheiro e quintal. E ainda forro de PVC e aquecedor solar. As ruas são asfaltadas, com infraestrutura - luz, água, esgoto e galerias - parque infantil, Academia da Terceira Idade (ATI) e espaço para convívio social.

Participaram da solenidade, Carlos Alberto de Paula prefeito municipal; Sergio Scramim ; superintendente regional da Caixa Econômica Federal; Eliana Patrícia Palma; representante da Monolux; Rubens Vieira Lopes; gerente geral da Caixa Econômica Federal, Rodney Luiz Tevisan; gerente de sustentação de negocio da Caixa Econômica Federal, Paulo Marinho; gerente de construção da Caixa Econômica Federal. Também estiveram presentes Vereadores, Secretários Municipais, Diretores, e membros dos conselhos municipais.


Das 343 casas sorteadas, 170 foram para famílias que moram no Conjunto Mutirão. O financiamento das moradias foi feito por 10 anos e as parcelas vão variar de R$ 50 a R$139. A renda máxima comprovada exigida foi de R$ 1.395 reais. Comprometendo dez por cento da renda familiar declarada. A seleção foi feita pela Secretaria da Ação Social de Sarandi e análise foi feita pela Caixa Econômica Federal.


Segundo a diretora de habitação de Sarandi, Sara Regina Godoi, o processo foi bastante demorado e realizado com muito critério. “Nós temos em nossos cadastros 2.500 pessoas inscritas e tivemos que escolher 343 famílias, sendo que a prioridade era as 170 famílias do Mutirão. Todo o processo levou cerca de um ano. A escolha é feita em duas etapas primeiro fazemos o projeto que é encaminhado para o Ministério que libera os subsídios e depois encaminhamos para a Caixa que libera o financiamento, a partir daí é que fizemos a triagem das família. Levamos muito tempo até conseguirmos reunir toda documentação das pessoas, mas agora o sonho delas vai se concretizar e nós estamos felizes com a sensação de dever cumprido”, explica Sara.



Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse