Câmara de Vereadores de Sarandi: Uma Questão de Qualidade e não de Quantidade.
“Para a Igreja, a fé deve ordenar toda a vida do homem e todas
as suas atividades, também as que se referem à ordem política”.
(Exigências Cristãs de uma ordem política, nº 4)

Criada por pressão, principalmente dos pequenos partidos, a Emenda Constitucional nº 58/2009 traçou um novo desenho das Câmaras Municipais no Brasil, adicionando duas faixas populacionais para a definição dos números de vereadores nas cidades.
No caso de Sarandi, com uma população de 82.273 habitantes, segundo o Censo 2010 do IGBE, seria possível aumentar dos atuais 10 (dez) para até 17 (Dezessete) o número de Vereadores.
Em estudo realizado pelo Dr. Allan Marcio (Portal do Controle Social de Sarandi – www.controlesocialdesarandi.com.br ) além dos quase R$ 500 mil já contingenciados para a “Ampliação da Câmara” no Orçamento Municipal, uma estimativa inicial do estudo, aponta que o acréscimo de 7 (sete) novos “Vereadores”, somados aos mais de 14 (quatorze) novos assessores, faria com que a “Folha de Pagamento”, caso não aumente os Salários, saltaria dos atuais R$ 1,2 Milhões  para R$ 1,9 Milhões, ou seja, um crescimento de 41,23%, isso sem contabilizar as despesas com novos efetivos e manutenção da casa, podendo até chegar a R$ 2,5 milhões em 2013.
Olhando ainda, a quantidade da “produção legislativa” local, observa-se que a mesma deixa muito a desejar em termos de “qualidade”, seja na elaboração de lei que iria de encontro aos anseios da população, seja na fiscalização efetiva do poder executivo.
Em uma cidade como a nossa com mais de 10 mil famílias vivendo com um Salário Mínimo em média, segundo dados do Bolsa Família, além de deter 35% ( 29 mil )  da população de crianças e jovens até 20 anos sem as devidas atenções em políticas públicas que os priorizem como cidadãos e cidadãs.
Como, então, um município que não tem “prédios” próprios para abrigarem sua Prefeitura e até as suas Secretarias Municipais, gastando algo em torno de R$ 700 mil por ano em “Alugueis”, sem contabilizar a saúde, infraestrutura e outras urgências sociais reprimidas poderá aceitar uma elevação do número de vereadores, silenciosamente?
Diante deste quadro, uma reflexão serena e desapaixonada nos leva a perguntar: É justo pensar, então, aumentar o número de vereadores neste momento, uma vez que, a elevação do número de cadeiras não é “obrigatória” e depende do aval do eleitor que, em última analise, pagará a conta?
Como Padres e Pastores do Povo de Deus Católico de Sarandi, embora reconhecendo nossas limitações e fraquezas, queremos por direito e por dever, CONCLAMAR, os cidadãos e cidadãs sarandienses a dizer um sonoro... NÃO!!! a qualquer tentativa dos atuais vereadores em elevar esse número.
Portanto, neste momento acreditamos no “bom senso” da atual câmara de vereadores em não procurar legislar em causa própria ou a ceder a interesses corporativista e partidarista em prejuízo ao bem comum e do desenvolvimento de nossa cidade.
Com o desejo de ajudar Sarandi,

______________________________               __________________________
Paróquia Nossa Senhora das Graças                Paróquia São Paulo Apóstolo
______________________________               __________________________
Paróquia Sta. Terezinha do Menino Jesus        Paroquia Nossa Senhora da Esperança
                                                                                  



Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse