Deputado do Paraná prende suposto pastor na Câmara

Apresentando-se como pastor evangélico e presidente do Conselho Federal de Teologia, Walter da Silva Filho foi ao Congresso Nacional na terça-feira para sugerir um negócio milionário aos deputados Fernando Francischini (PSDB-PR) e Paulo Freire (PR-SP). A proposta era que os parlamentares o ajudassem a conseguir novos filiados para o órgão. A cada R$ 200 mil arrecadados com a cobrança de uma anuidade individual de R$ 545 (um salário mínimo), R$ 50 mil ficariam com os dois congressistas.

Silva Filho acabou detido em flagrante pelos crimes de corrupção ativa, falsidade ideológica e uso de documento falso. Recebeu voz de prisão de Francischini, que é delegado licenciado da Polícia Federal. Foi direto para a cadeia do Departamento de Polícia Espe­­­cializada da Polícia Civil do Distrito Federal, na qual permanece.

A apresentação da proposta foi filmada pelos deputados no gabinete de Freire. A prisão encerrou uma história que envolve religião e um golpe que pode ter prejudicado milhares de pessoas. Aos parlamentares, Silva Filho afirmou que já havia conseguido mais de 3 mil filiados, mas que precisava de mais ajuda.

O suposto conselho, entretanto, não existe. Silva Filho é, na verdade, terceiro sargento do Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro. A principal intenção era se aproximar de Freire, que é filho do presidente da Assembleia de Deus, pastor José Wellington.

O primeiro contato entre os dois ocorreu em julho, no escritório de Freire na capital paulista. Silva Filho disse que estava coletando apoio para conseguir transformar o conselho em uma autarquia federal. Para parecer mais convincente, apresentou uma pilha de documentos.

“A questão é que ele exagerou na dose”, diz o agente Marcos Mariano, da Polícia Legislativa da Câmara, que participou do desdobramento da prisão do bombeiro. Ele chegou até a inventar um personagem, Alberto S. Silva, que seria ao mesmo tempo “ministro extraordinário” do governo federal, “juiz de direito da União” e “corregedor-general” – cargos que também não existem.
O que mais chamou a atenção de Freire foi um documento com supostas assinatura e impressão digital do procurador-geral da República, Roberto Gurgel. “Tudo parecia muito estranho, ninguém põe digital em um papel desse tipo”, disse o deputado. Foi então que ele decidiu pedir ajuda a Francischini, também parlamentar em primeiro mandato e devoto da Assembleia de Deus.

Francischini enviou o material para a Polícia Federal, que detectou os indícios de falsificação. Na terça-feira, quando o bombeiro voltou a procurar Freire, o deputado paranaense também participou da conversa. “Ele deixou bem claro que os R$ 50 mil oferecidos ficariam para a gente fazer o que quisesse, foi o que motivou a voz de prisão”, afirmou Francischini.
No depoimento à Polícia Legislativa, Silva Filho contou uma história diferente. Disse que propôs a Freire indicar o responsável pelo Conselho Regional de Teologia de São Paulo. Seria esse conselho que ficaria com os 25% e não os deputados.

O bombeiro, no entanto, tropeçou ainda mais nas explicações. Ao contrário dos R$ 200 mil, aos policiais ele falou em R$ 200 milhões.

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse