Em protesto, vários estudantes ocupam reitoria da UEM

Estudantes da Universidade Estadual de Maringá (UEM) ocuparam a reitoria da instituição por volta das 15h30 desta quinta-feira (25). Segundo a assessoria de comunicação da instituição, os cerca de 400 acadêmicos danificaram o prédio durante a ocupação.

Os estudantes chegaram à frente da reitoria por volta das 14h35, com a intenção de ficar até segunda-feira (29) no mínimo. Eles protestam contra o corte de verbas da educação feito pelo governo estadual no início do ano, a falta estrutura do Restaurante Universitário (RU) e a inexistência de unidades do RU nos outros campi da instituição.
Um dos integrantes do centro acadêmico de economia, Felipe Augusto de Paula Bento, que apóia o movimento, disse que houve empurra-empurra entre estudantes e vigilantes antes da entrada no prédio da reitoria. Não havia feridos, no entanto.

Depois da ocupação, os estudantes começaram a colocar cartazes confeccionados em frente à reitoria, muitos dos quais protestando contra o governo do estado. Uma assembleia foi improvisada pelos estudantes no prédio e a imprensa foi impedida de acompanhar.

O movimento é organizado pelo DCE e por centros acadêmicos da universidade. A assessoria de comunicação da UEM disse que um documento assinado pelo reitor seria entregue aos estudantes ainda nesta tarde, relatando o que foi feito para atender às reivindicações acadêmicas nos últimos 15 dias.

No documento, já divulgado à imprensa, o reitor, Júlio Santiago Prates Filho, informa que já foi feito o pedido de contratação de mais seis servidores para o RU; que o projeto de expansão do restaurante e o cardápio vegetariano estão sendo viabilizados; e de que estudos estão sendo feitos para instalar unidades do restaurante nos campi.

A assessoria da UEM informou ainda que a segurança em frente à reitoria foi reforçada, para evitar que os estudantes ocupassem o prédio, o que não adiantou. A preocupação, segundo a instituição, era de que o patrimônio fosse danificado durante os protestos.

A reportagem entrou em contato com a assessoria da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), que ficou de se manifestar sobre a reivindicação ainda nesta quinta-feira (25).

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse