Homem invade missa, toma microfone e chama padre de "boneca"

A comunidade de pescadores de Barra Nova, no litoral sul de Alagoas, está inconformada. Há dois meses, a Igreja de São Pedro está fechada e não há previsão de retomada das missas.

A paróquia ficou órfã de padre após uma confusão ocorrida durante uma missa às vésperas do padroeiro da comunidade, São Pedro, no final de junho. Estavam todos assistindo a celebração do padre Raul, que visitava a igreja, quando um homem invadiu o local, tomou o microfone das mãos do religioso durante o sermão e desferiu todo o tipo de acusação e ofensas sem se dar conta de que falava com o padre errado.
O militar da reserva Cícero Costa, pivô da confusão, queria brigar com o padre Marcos, que, até então, era o responsável pela paróquia da Barra Nova.

Quem estava presente ficou estarrecido com a fúria do militar, que também é conhecido com Ciçou. “Achei que ele pegou o microfone para fazer uma homenagem e não para ofender o padre visitante. Ele chegou a dizer que sustentava o padre dando 150 reais por mês e, por isso, ele tinha que fazer uma festa de São Pedro”, conta a professora Graciete da Silva.

Cícero Costa se defende por ter ofendido a pessoa errada, mas não se arrepende do que disse sobre o padre Marcos. “Ele disse que a nossa capela nunca foi a 'Casa de Deus' e que nossa procissão era de 'bonecas'. Aí, eu peguei o microfone e disse: se minha procissão de São Pedro é de boneca, você é boneca duas vezes”, relatou o militar, que ainda acusa o religioso de homofobia. “Ele não gosta de nada! Ele tem raiva de homossexual, negro, da capela, de tudo”, disse.

Depois da baixaria, nem o padre visitante, nem o titular da paróquia reapareceram para celebrar uma missa sequer. O arcebispo de Maceió, Dom Antônio Muniz, diz que não há previsão de retomada das atividades da igreja no povoado e que foi aberto um inquérito policial para apurar o caso.
Agora, quem se diz ameaçado é o militar revoltado. Cícero Costa conta que os moradores o culpam pela “fuga” dos padres.
“Não acho correto todo mundo pagar pelo erro de uma pessoa”, reclama a aposentada Irinete dos Santos.

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse