Vereadores que mais faltam querem 21 vagas na Câmara


Apesar de a fiscalização dos serviços públicos e dos atos do Executivo ser uma das principais atribuições do vereador, ela não é uma obrigação.

A lei exige, apenas, que o parlamentar compareça às sessões e participe das comissões permanentes da Câmara, mas o último relatório do Observatório Social de Maringá (OSM), obtido com exclusividade por O Diário, revela que nem isso alguns vereadores têm feito .

Lanternas na apresentação de requerimentos, Wellington Andrade (PRP) e John Alves (PMDB) também são os mais faltosos tanto nas sessões ordinárias quanto nas comissões das quais participavam até a semana passada.


No 1º semestre, John teve 25% de faltas e Wellington, 29%. Os dois querem aumentar para 21 o número de vereadores na Câmara, sendo John o principal articulador do projeto.

Ambos correriam o risco de cassação não fosse uma alteração no Regimento Interno da Casa, feita em junho de 2010. Antes, as faltas – que não podem passar de 33,3% – eram medidas pela participação nas votações. Do total de projetos votados este ano, John e Wellington não participaram de 46% e 36%, respectivamente.

"Tem vereador que teria ainda mais faltas se tivéssemos considerado o horário de início das sessões", comentou o integrante do OSM, Fernando Otero, referindo-se a Wellington.

Apenas em junho deste ano, o vereador maringaense mais votado em 2008 chegou atrasado, após o início da ordem do dia, em três ocasiões.

Nas comissões, o levantamento do OSM revela uma displicência ainda maior. No primeiro semestre, Wellington faltou a dez reuniões seguidas da Comissão de Políticas Gerais (CPG), enquanto o limite é de três faltas consecutivas ou seis intercaladas. Irregularidade que deveria ter sido denunciada pelo presidente da CPG, no caso, Bravin Filho (PP).
Foi o que fez o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Zebrão (PP), diante de seguidas faltas de John às reuniões da comissão.

Na sessão da última terça-feira, no plenário, Zebrão cobrou que o presidente da Casa, Mário Hossokawa (PMDB), tomasse providências.

Zebrão e John bateram boca e o peemedebista abandonou a CCJ. No decorrer da semana, Wellington fez o mesmo, porém, sem reclamações.

Fonte: O Diário

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse