PRF prevê reinstalação de radares na Av. Colombo no 1º trimestre de 2012

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prevê a reinstalação de radares de controle de velocidade na Avenida Colombo no primeiro trimestre do ano que vem. Segundo o inspetor Ricardo Pagani, o trabalho será feito a partir de um convênio com a Prefeitura de Maringá, que cederia os aparelhos. “Estamos em fase final no processo de tramitação”, disse ele.

A Secretaria Municipal de Transportes (Setran), porém, não divulgou nenhuma previsão para instalação da fiscalização eletrônica, já que haveria um impasse sobre a atuação de agentes municipais no trânsito na Colombo. A avenida é uma extensão da BR-376 e é uma das vias mais movimentadas de Maringá.

Segundo o diretor de tráfego da Setran, Gilberto Purpur, a prefeitura defende que agentes municipais também realizem fiscalização na avenida, para cuidar de problemas como parada de carros em fila dupla e sobre calçadas. A PRF, no entanto, afirma que esse tipo de parceria não está prevista na legislação interna e que para sua aprovação seria necessárias decisões fora do estado. "Para aprovar a atuação de fiscais teria de abrir outro processo, que dependeria de aprovações em Brasília", explicou Pagani.

O inspetor Pagani explicou que existe um estudo técnico para o projeto de fiscalização na avenida realizado em conjunto com a Setran. Também já foi negociado o processamento das informações dos novos aparelhos com a Companhia de Informática do Paraná (Celepar) em reuniões que ocorreram em outubro.

Purpur informou que a cidade conta com 40 aparelhos e que alguns deles poderiam ser rearranjados na Avenida Colombo. Além disso, o município está preparando um edital para adquirir outros 40 radares. Detalhes sobre os repasses do valor arrecadado com as multas também já foram acordados com porcentagens distribuídas entre PRF, Celepar e Departamento de Trânsito (Detran).

Comentários

As mais visitadas

CEMEI de Sarandi realiza evento cultural em comemoração ao dia das crianças

Idoso suspeito tocar corpo de criança por R$ 50,00 permanece preso

Semana Jurídica em Sarandi