sábado, 27 de agosto de 2011

MAIS UM HOMICÍDIO EM MARINGÁ


De acordo com o jornal O Diário, um homem de 37 anos morreu ao ser alvejado a tiros no início da madrugada deste sábado (27) na Avenida Morangueira em Maringá.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o caso ocorreu por volta da 0 hora, na Vila Santo Antônio, nas proximidades do Colégio Estadual Rodrigues Alves. Everson Willi da Silva, conhecido como 'Testa", havia acabado de estacionar o GM Vectra quando foi surpreendido por dois homens que estavam em uma Falcon de cor preta que efetuaram vários disparos de pistola 9 mm. Testa foi atingido por vários tiros e morreu no local. Uma outra pessoa que estava com Silva evadiu-se.

A vítima morava na Rua Assis Chateaubriand, na Vila Santo Antônio, e possuía ficha criminal. Informações dão conta de que Silva trabalhava com desmanche com o empresário Evaristo de Andrade, que foi executado a tiros no dia 1º de janeiro de 2010, por um homem em uma Falcon.

O corpo de Testa foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML) de Maringá.
Pressionada, Câmara deve manter 19 cadeiras


Após divulgação de pesquisas e a pressão popular por meio de manifestação contra o aumento do número de vereadores em Londrina, a Câmara Municipal demonstrou ontem que pode voltar atrás e pôr um ponto final na discussão sobre criar mais duas vagas no Legislativo, passando de 19 para 21. Os eleitores rejeitaram a ampliação do número de cadeiras e analistas políticos e representantes de entidades defendem que os vereadores respeitem o ''clamor popular''.

O presidente da Câmara, Gerson Araújo (PSDB), anunciou publicamente ontem, no seu Twitter, que é favorável a manter as vagas atuais. À FOLHA, Araújo afirmou que ''tenho quase certeza de que a Câmara não vai aumentar o número de cadeiras''. ''Como a maioria dos partidos deixou a questão para os vereadores decidirem, acho que dificilmente será apresentado um projeto para aumentar o número. A Câmara deverá ficar como está''.

Araújo disse que vai defender esta posição por 19 vereadores na reunião do diretório local do PSDB, na manhã de hoje. ''É um momento político ruim, em que a Câmara tem muitas investigações para fazer, há o problema da saúde e a população não quer o aumento, conforme revelaram as pesquisas'', declarou Araújo. Ele sustentou, entretanto, que esta é uma posição pessoal e não como presidente da Câmara.

Porém, a vereadora Sandra Graça (PP), que até então defendia o aumento para 21 cadeiras, disse que a Câmara quer ''tirar isso da pauta da imprensa'', deixando de apresentar o projeto de emenda à Lei Orgânica do Município. ''Conversei com o presidente (Gerson Araújo) e ficou entendido que a Câmara faria nota pública para informar que o assunto está finalizado. Não haverá projeto para elevar o número de vereadores e, portanto, não haverá aumento.'' Por isso, disse Sandra, seu partido não vai discutir o assunto. O outro pepista, Marcelo Belinati, já declarou publicamente que votaria por 19 cadeiras.

Questionado sobre a declaração de Sandra Graça, Gerson Araújo afirmou que se convencer os dois colegas de partido (Márcio Almeida e Roberto Kanashiro) provavelmente não haverá quórum - de 13 votos - para aprovar o projeto de resolução. ''Como o PT deixou os vereadores livres para votarem como quiserem e pelas conversas que já tive com alguns colegas, acredito que o aumento para 21 não seria aprovado'', afirmou.

O presidente da Câmara sofreu intenso desgaste ao afirmar, na última quarta-feira, quando o Instituto Portinari divulgou pesquisa revelando que a maioria dos londrinenses é contrária ao aumento de vereadores, que a população não tinha condições de opinar, já que a pesquisa também demonstrou que a maioria não se lembrava em quem tinha votado. ''Talvez eu tenha sido mal interpretado'', justificou. ''Porém, defendia a instituição da Câmara e agora estou defendendo minha posição como vereador.''

PARTIDOS

Partido Decisão Vereadores
PT Neutro Três
PSDB Não decidiu Três
PTN 21 cadeiras Três
PDT Neutro Dois
PTB Neutro Dois
PP Não decidiu Dois
PMDB 21 cadeiras Um
PSB Neutro Um
PRB - Um
PTC - Um