MediaOn: 'Brasil está virando a República da máfia', diz jornalista


Durante o painel "O jogo da informação na Copa do Mundo do Brasil", o quarto do segundo dia da 6ª edição do MediaOn - Seminário internacional de jornalismo online -, o jornalista investigativo inglês Andrew Jennings, diretor do site Transparency in Sports, afirmou que o "Brasil está virando a República da Máfia", por conta da organização da Copa do Mundo de 2014. De acordo com ele, a Fifa "sequestrou" aqueles que cuidam do futebol no Brasil. "Pensam que aqui são todos estúpidos. Só falam de futebol e acham que vão poder enganar todos até o fim. E conseguir as isenções de impostos que quiserem". Segundo ele, os repórteres brasileiros precisam fazer barulho: "vocês tem de fichar os dirigentes que entrarem no País. O mínimo que podem fazer é dar o nome de todos eles. Vocês estão financiando a vida de todos e o governo garante tudo o que a Fifa faz", diz. Sobre a Fifa, ele deu a sua opinião. "Dizem que fazem isso pelo prazer dos jogos. Isso não quer dizer nada, que besteira, não me faça vomitar. Procurei a definição de crime organizado. Eles são a máfia. Eles não querem falar disso como se fosse um fato. Eles preenchem todos os requisitos de crime organizado. Tem o chefão, o enriquecimento por atividades criminosas etc. O dinheiro entra e desaparece", afirmou. O jornalista brasileiro Juca Kfouri, que também participou do painel, afirmou que a infantilização da cobertura esportiva, que ele classificou como "Leifertização" da notícia - se referindo ao apresentador da Rede Globo Thiago Leifert - vai ter de mudar. "A opinião pública, à medida que a nossa democracia avance, vai querer críticas mais aprofundadas. É preciso separar a parte comercial da parte jornalística", afirmou. Walter de Mattos Júnior, presidente do Grupo Lance! disse que os próprios jornalistas são parcialmente responsáveis pelo o que está acontecendo na preparação destas competições. "O que me espanta e a gente é parcialmente responsável por isso. A gente ter admitido o que foi desenhado e enfiado goela abaixo. Ele fez críticas também ao legado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, especialmente na área esportiva. "No esporte, ele deixou o seu pior legado. Não imagino nada pior. O Brasil ficou de joelhos sem pedir nada em troca à Fifa. Se submeteu a todas as condições. São coisas que a gente custa a acreditar". Mediaon O MediaOn reúne profissionais do Brasil e do mundo para discutir grandes temas do setor, como o futuro da mídia, o impacto das novas tecnologias e como o mercado de notícias em geral está lidando com as mudanças radicais no meio. Rumos e a abundância cultural Em paralelo ao MediaOn, o Rumos aborda o tema "De gatekeeper ao gatewatcher
", e busca respostas para a abundância de informação na internet, que está reconfigurando o jornalismo cultural. Sites, blogs, mídias sociais, comunidades de interesse e projetos colaborativos ampliaram o público e o colocaram diretamente em contato com fontes e produtores, sem intermediários, cabendo ao jornalista de cultura deixar de ser um editor para atuar mais como um moderador. A perda de influência é apenas um dos dilemas do jornalismo cultural diante da cultura em rede. Por isso, sua reconfiguração é o tema proposto para o seminário, que levará a São Paulo palestrantes como Gumersindo La Fuente, Javier Celaya, Giselle Beiguelman, Barbara Heliodora, Rodrigo Savazoni, Espern Aarseth e Armando Antenore, além dos cantores Emicida e Lobão.

Fonte: Terra

Comentários

As mais visitadas

OCORRÊNCIAS DO SETOR POLICIAL EM MARINGÁ FINAL DE SEMANA

Ordem de serviço autoriza construção de uma nova Unidade Escolar Estadual em Sarandi

Sarandi concorre ao Prêmio Gestor Público Paraná