NÃO É SÓ A UPA DE SARANDI QUE VEM ENFRENTANDO PROBLEMAS, VEJA A REPORTAGEM ABAIXO




  • 27/03/2013

    UPA do Sabará em estado de abandono

    A população a Zona Oeste de Londrina, assistiu, esperançosa, a construção da Unidade de Pronto Atendimento, a UPA, mencionadas por muitos políticos como o “Hospital da Zona Oeste” na última campanha eleitoral. A obra arquitetônica foi licitada e construída na administração do ex-prefeito cassado Homero Barbosa Neto.
    Esta unidade foi construida em um terreno localizado na avenida Arthur Thomas, mais precisamente em frente à Confepar, e é considerada a maior do Paraná em extensão, com 2.075,54 m². O custo total estiomado era de R$ 3.440.308,07, sendo R$ 2.600,00 procedentes do governo federal e o restante é a contrapartida do município. A UPA da região oeste terá uma estrutura com disposição para:
    - 24 leitos – 16 leitos de observação, dois para isolamento; dois para atendimento psiquiátrico e quatro leitos de urgência e emergência;
    - 11 consultórios;
    - uma sala de coleta;
    - um laboratório;
    - sala de raios-X;
    - sala de sutura;
    - sala de curativo;
    - sala de medicação com seis leitos
    A pretensão era de atender uma população estimada em 130 mil habitantes da região da cidade.
    Poderia ter sido inaugurada e colocada em funcionamento nas administrações subseqüentes de José Ribeiro (Sem Partido) ou Gerson Araujo (PSDB). Porém, isto não aconteceu. E a prefeitura de Londrina corria ao risco de ter que devolver mais de R$ 2,5 milhões ao Ministério da Saúde se a UPA do Jardim Sabará não fosse inaugurada até a primeira quinzena de dezembro. A solenidade ocorreu, mas a unidade não funciona.
    Iniciando uma nova administração a partir de primeiro de Janeiro de 2013, os moradores da região imaginaram que a UPA poderia, então, finalmente entrar em funcionamento, com todos os equipamentos e minorando a situação de milhares de pessoas que necessitam atendimento na Saúde Pública. Porém, o que se vê não é exatamente o que se gostaria. O local está praticamente abandonado, conforme mostra a foto.
    Na Prefeitura ninguém se atreve a fixar uma data para que a Unidade entre em funcionamento para cumprir com seu objetivo de aliviar hospitais da cidade. E apesar de se ter até uma certa vigilância no local, sabe-se que uma obra abandonada tende a se deteriorar. Anúncios já foram feitos de contratação de pessoal e aquisição de equipamentos, mas a UPA do Jardim Bandeirantes é um exemplo do descaso das autoridades com o dinheiro público e uma demonstração clara de incompetência administrativa.
    Antenor Ribeiro – Destaknews

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse