Australiana ressuscita depois de passar 42 minutos clinicamente morta

Uma australiana retornou à vida depois de passar 42 minutos clinicamente morta, informaram os médicos que trabalharam no caso. Vanessa Tanasio, 41 anos, que tem dois filhos, foi levada para o Centro Médico Monash de Melbourne na semana passada, depois de sofrer um ataque cardíaco e com uma das artérias completamente bloqueadas. Tanasio sofreu uma parada cardíaca e foi declarada clinicamente morta pouco depois. A expressão clinicamente morto é um termo médico que se aplica a uma pessoa que deixou de respirar e na qual o sangue parou de circular. Mas os médicos não desistiram e usaram um dispositivo de compressão chamado Lucas 2, o único deste tipo que existe na Austrália, para manter o fluxo de sangue até o cérebro, enquanto o cardiologista Wally Ahmar abriu a artéria para desbloqueá-la. Uma vez desbloqueada, o coração de Tanasio voltou a bater em ritmo normal. "Utilizei múltiplas descargas, muitos medicamentos para ressuscitá-la", disse Ahmar. "Certamente isto é um milagre. Não esperava que ela estivesse tão bem". Tanasio afirmou que não tinha antecedentes de doenças cardíacas e declarou estar muito agradecida. "Recordo de estar no meu sofá, depois no chão, depois chegando ao hospital e depois dois dias desapareceram", contou Vanessa Tanasio. "Estive morta por quase uma hora e apenas uma semana depois me sinto bem. É surreal", completa. O dispositivo Lucas comprime o peito, de maneira similar ao que acontece durante a manobra de reanimação cardiopulmonar (CPR), e permite aos médicos trabalhar sem parar para implantar um stent (dispositivo cilíndrico) em uma artéria bloqueada. Esta foi a primeira vez que o dispositivo foi utilizado com êxito em um paciente, segundo o hospital.

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse