Gaeco prende vereador do PTpor tráfico de drogas no Paraná

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) prendeu no final da tarde de quinta-feira (28) o vereador do município de Xambrê (Noroeste), Devair José da Silva (PT), por envolvimento com tráfico de drogas após a Justiça decretar a prisão preventiva do parlamentar. Ele foi eleito pela primeira vez no ano passado com 243 votos, ficando no sétimo lugar entre os vereadores mais lembrados pelo eleitorado do município. Durante a madrugada de quinta-feira, quatro pessoas foram detidas pela Polícia Militar de Umuarama com uma carga de quase 270 quilos de maconha escondidas no fundo falso de um caminhão. A droga seria transportada para o Estado de Minas Gerais. Investigação conduzida pelo Gaeco de Cascavel apontam a ligação do vereador com o grupo detido. Desde de setembro, Silva é monitorado com escutas telefônicas autorizadas, que indicam o transporte de drogas para São Paulo e Minas Gerais. Além disso, os presos teriam confirmado que Silva seria o proprietário da droga. Segundo a promotora do Gaeco, Juliana Vanessa Stofela da Costa, este foi o primeiro transporte realizado pelo grupo desde o início da investigação. "Nas escutas, o vereador comenta que não iria trabalhar com 'coisas pequenas' dando prioridade ao transporte de grande quantidades de drogas. No entanto, as investigações não apontaram o uso do cargo público para facilitar as atividades ilícitas", informou. A promotora lembrou que a denúncia partiu do Ministério Público (MP) de Xambrê com suspeitas do envolvimento do vereador com o tráfico de drogas na cidade. No entanto, a investigação revelou que os entorpecentes eram transportados para outros estados. "Após as prisões, vamos trabalhar na conclusão do inquérito para oferecer denúncia ao juiz de Xambré", acrescentou. Silva dormiu a primeira noite na delegacia de Xambrê, mas a Polícia Civil confirmou que trabalha para que o vereador detido seja transferido para uma penitenciária. O advogado de defesa, Luciano Gaioski, informou que aguarda autorização da Justiça para ter acesso ao processo com intuito de analisar o caso. Segundo ele, os quatro detidos não teriam afirmado durante interrogatório que a droga seria do vereador. Sobre o cargo de vereador, Gaioski disse que ficará responsável pela parte criminal enquanto outro advogado deve acompanhar a questão na Câmara.

Fonte: Bonde Notícias

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse