Prefeito usou dinheiro do Provopar para comprar voto, acusa TCE

O uso de dinheiro público para doações em ano eleitoral levou o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) a determinar a devolução de R$ 223.923,25 ao cofre do Município de São Jorge do Oeste, Sudoeste do Estado. A verba, destinada ao Provopar, foi usada para assistencialismo pelo prefeito do município na gestão 2005/2008, Adair Ceccato. O Provopar era presidido pela esposa dele, Luciana Graciele Ilkiu Ceccatto. Segundo técnicos da Diretoria de Análise de Transferências do TCE, o dinheiro foi usado na compra de produtos como óculos, medicamentos e materiais de construção destinado a moradores de baixa renda. Outra parte dos recursos foi utilizada no pagamento de exames, consultas, tratamentos odontológicos e auxílio-funeral, além de doações em dinheiro. Na avaliação da DAT, confirmada pelo Ministério Público de Contas e aprovada em plenário, as despesas foram ilegítimas e desvirtuaram o trabalho de uma instituição como o Provopar, que deveria atuar em projetos de geração de renda, inclusão social e melhoria da qualidade de vida da população mais pobre. O valor a ser devolvido deverá ser atualizado, com juros e correção monetária, desde a data dos repasses até o efetivo recolhimento. O Tribunal encaminhará cópia dos autos do processo ao Ministério Público Estadual, a quem cabe propor ações judiciais contra os responsáveis por danos a patrimônio público. O uso de dinheiro público para doações em ano eleitoral levou o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) a determinar a devolução de R$ 223.923,25 ao cofre do Município de São Jorge do Oeste, Sudoeste do Estado. A verba, destinada ao Provopar, foi usada para assistencialismo pelo prefeito do município na gestão 2005/2008, Adair Ceccato. O Provopar era presidido pela esposa dele, Luciana Graciele Ilkiu Ceccatto. Segundo técnicos da Diretoria de Análise de Transferências do TCE, o dinheiro foi usado na compra de produtos como óculos, medicamentos e materiais de construção destinado a moradores de baixa renda. Outra parte dos recursos foi utilizada no pagamento de exames, consultas, tratamentos odontológicos e auxílio-funeral, além de doações em dinheiro. Na avaliação da DAT, confirmada pelo Ministério Público de Contas e aprovada em plenário, as despesas foram ilegítimas e desvirtuaram o trabalho de uma instituição como o Provopar, que deveria atuar em projetos de geração de renda, inclusão social e melhoria da qualidade de vida da população mais pobre. O valor a ser devolvido deverá ser atualizado, com juros e correção monetária, desde a data dos repasses até o efetivo recolhimento. O Tribunal encaminhará cópia dos autos do processo ao Ministério Público Estadual, a quem cabe propor ações judiciais contra os responsáveis por danos a patrimônio público. Fonte: Bonde

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse