quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Homem é preso por tentar abusar de cão

Após denúncias de moradores, a Polícia Militar (PM) prendeu um homem de 47 anos após ele tentar abusar de um cachorro, na quarta-feira (2), em Londrina. Um vizinho ouviu os latidos do cão, próximo a um terreno abandonado e decidiu ir até o local conferir o que estava acontecendo, e acabou presenciando o homem tentando abusar do animal. Ao perceber a presença de moradores, o suspeito soltou o cão e tentou fugir, mas foi detido pelos populares. Policiais militares foram até o local e encaminharam o homem à delegacia.

Padre é preso acusado de se masturbar em frente à garota de 13 anos

Um padre de 37 anos foi preso na tarde desta quarta-feira, acusado de ter se masturbado em frente a uma adolescente de 13 anos, em Ribeirão do Pinhal. De acordo com o depoimento da menina, ela caminhava pelo centro por volta das 10h15, quando o padre se aproximou em um VW Gol branco. A moça contou que, enquanto ele pedia informações sobre onde ficava o Hospital Municipal, abaixou a bermuda e começou a se masturbar. A menina disse ainda que, em seguida, saiu correndo e se encontrou com um policial militar que estava de folga. Ele anotou a placa do carro e repassou as informações para o delegado Tristão Borborema de Carvalho. Eles iniciaram uma perseguição pela cidade, mas não encontram o padre. Depois de fugir, o padre foi preso por um policial rodoviário na BR-153, no trecho entre Santo Antônio da Platina e Jacarezinho. O padre foi conduzido para a 38ª Delegacia Regional de Polícia (DRP) de Santo Antônio da Platina. Como o delegado titular Fátimo Siqueira está em férias, Tristão Carvalho indiciou o padre, que foi enquadrado no artigo 218-A do Código Penal, (praticar, na presença de pessoa menor de 14 anos, ou induzi-lo a presenciar, conjunção carnal ou outro ato libidinoso, a fim de satisfazer lascívia própria ou de outrem). De acordo com o Tristão Carvalho, o padre se mostrou arrependido e confessou ter cometido o ato. Como a pena de reclusão é inferior a quatro anos, o padre pagou fiança no valor de R$ 2.712 e foi liberado. A vítima também relatou que ele não tentou agarrá-la e não a convidou para entrar no carro. "Caso o sacerdote iniciasse atos executórios, como por exemplo, agarrá-la ou mesmo ameaçá-la poderia configurar estupro de vulnerável, mas o relato da vítima, prestado na presença da mãe e de uma representante do Conselho Tutelar, foi no sentido de que o padre se masturbou em sua presença, daí a configuração do crime de satisfação da lascívia mediante presença de criança e do adolescente", explica o delegado.