sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Número de homicídios cresce 23% em Maringá

Sessenta e quatro pessoas foram assassinadas durante o ano passado em Maringá. Foi o que apontou o levantamento divulgado pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) na tarde desta quinta-feira (31). Segundo o relatório, o número de homicídios dolosos (com intenção de matar) cresceu 23% na comparação com 2011, quando 52 mortes foram registradas no Município. Os números não incluem as vítimas que foram mortas em confrontos com a polícia. Os assassinatos também aumentaram na região de Maringá. Nas 24 cidades que integram a 17ª Área Integrada de Segurança Pública (Aisp), o número de homicídios subiu de 130 para 166 casos, uma elevação de 27,6%. Com uma população quatro vezes menor que a de Maringá, Sarandi teve apenas cinco mortes a menos do que a sede da região. Foram 59 assassinatos em uma cidade com cerca de 83 mil habitantes. Também ocorreram homicídios em Paiçandu (20), Colorado (7), Mandaguaçu (4), Mandaguari, Marialva (3 cada), Astorga, Floresta (2 cada), Doutor Camargo e Santa Fé (1 cada). Em todo o Paraná, foram registrados 3.135 homicídios em 2012, uma média de um assassinato a cada três horas. O número alarmante chegou a aumentar 1,6% em relação ao ano interior, quando 3.085 foram vítimas de assassinato. A reportagem tentou contato com o porta-voz do 4º Batalhão de Polícia Militar, major Ademar Paschoal, e com o delegado chefe da 9ª Subdivisão Policial, Osnildo Lemes, mas eles não foram localizados para comentar o número de homicídios em Maringá e região.

Fonte: Gazeta Maringá

Nova rescisão de contrato de trabalho começa a valer hoje

O uso do novo modelo do Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho é obrigatório a todos os empregadores que demitirem seus funcionários sem justa causa a partir desta sexta-feira (1º). O documento deveria ter se tornado obrigatório em 1º de novembro de 2012, mas a vigência foi adiada devido à baixa adesão das empresas ao termo, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego. Com isso, os empregadores tiveram mais de seis meses para se adequar ao novo termo, que foi aprovado em julho de 2012. De acordo com o ministro do Trabalho, Brizola Neto, não há possibilidade de prorrogar o prazo. Sem o termo de rescisão, nenhum trabalhador pode sacar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou o seguro-desemprego nas agências da Caixa Econômica Federal. Essa impossibilidade também vale para trabalhadores domésticos qDe acordo com um balanço divulgado pela Caixa, em novembro 41% dos empregadores tinham aderido ao novo termo até o período, o que foi considerado um percentual baixo pelo Ministério do Trabalho. No novo modelo, as verbas rescisórias devidas ao funcionário e as deduções feitas deverão ser detalhadamente especificadas. No documento, também devem constar adicional noturno, de insalubridade e de periculosidade, horas extras, férias vencidas, aviso prévio indenizado, décimo terceiro salário, gorjetas, gratificações, salário família, comissões e multas. Ainda deverão ser discriminados valores de adiantamentos, pensões, contribuição à Previdência e o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF). De acordo com o governo, o objetivo é facilitar a conferência dos valores pagos e devidos ao trabalhador.ue tenham FGTS.

Delegado é baleado por policial militar em Cascavel

Policiais militares que perseguiam um grupo de assaltantes de ônibus na noite desta quinta-feira (31) acabaram atirando, por engano, contra um delegado da Polícia Civil em Cascavel, no Oeste do Paraná. Denis Giovanny Zortéa Merino, delegado de Corbélia, estava na casa de familiares em uma chácara no bairro Cascavel Velho quando foi atingido pelo disparo no abdômen. Durante a fuga, os bandidos pularam o muro da casa o que chamou a atenção do delegado que saiu armado para verificar o que acontecia. Um PM teria pedido para ele levantar as mãos, mas - como Merino segurava uma arma de fogo - ele acabou atirando contra o delegado. O delegado foi socorrido pelo Siate (Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência) e encaminhado a um hospital da cidade em estado grave. Dois suspeitos do assalto acabaram presos durante a noite. As duas corporações ainda não se manifestaram sobre o incidente.

Justiça barra auxílio moradia a deputados de SP

A Justiça determinou a “imediata suspensão” do pagamento de auxílio-moradia a todos os 94 deputados estaduais de São Paulo. A ordem é do juiz da 13.ª Vara da Fazenda Pública, Luís Manuel Fonseca Pires, que concedeu tutela antecipada em ação civil do Ministério Público do Estado. O bloqueio liminar do benefício terá de ser acatado pela Mesa Diretora da Assembleia “sob pena de os responsáveis, em caso de descumprimento da medida, responderem por ato de improbidade administrativa em ação própria pelo manifesto dolo de ofensa aos princípios jurídicos da administração pública”. O Ministério Público estima que o corte no privilégio dos deputados vai gerar economia anual de R$ 2,5 milhões para os cofres públicos. Os parlamentares recebem R$ 2.250 todo mês, cada um - verba embutida no subsídio, sem amparo legal e sem apresentação de qualquer comprovante de despesa. A concessão é indistinta e indiscriminada, recebem até aqueles que moram a poucas quadras da sede do LegislatA regalia é concedida aos deputados com base na Lei 14.926/13. “Há ofensa ao princípio da legalidade na medida em que o artigo 1.º da Lei 14.926 não se mostra suficiente, logo, é inconstitucional, a justificar o pagamento indiscriminado desta verba porque não há qualquer suporte fático à indenização”, adverte o juiz.ivo, no Ibirapuera.

Interno morre ao tentar fugir do Hospital Psiquiátrico de Maringá

Um homem morreu numa tentativa de fuga do Hospital Psiquiátrico de Maringá, por volta da 0h15 desta sexta-feira (1º). De acordo com a Polícia Militar (PM), o interno tentou sair por uma das janelas da enfermaria do hospital, mas ficou preso e morreu. Segundo o Corpo de Bombeiros, o paciente ficou preso pela região do tórax e, ao que tudo indica, morreu em decorrência de uma asfixia. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Maringá. No início da manhã desta sexta-feira (1º), havia divergências em relação à idade do interno. Inicialmente, a PM divulgou que ele teria 23 anos. Mais tarde corrigiu e disse que teria 25 anos. Já no relatório do Corpo de Bombeiros consta que teria 30 anos. De acordo com a PM, minutos antes da morte, outro interno havia conseguido fugir do Hospital Psiquiátrico pela mesma janela, mas foi recuperado por uma equipe do próprio hospital pouco tempo depois.

Procuradoria acusa Renan de desviar dinheiro e falsificar documentos, diz revista



O Procurador-geral da Republica, Roberto Gurgel, denunciou o senador Renan Calheiros sob acusação de ter cometido três crimes: falsidade ideológica, uso de documentos falsos e peculato. A denúncia foi apresentada ao STF (Supremo Tribunal Federal) na última semana e está no gabinete do ministro Ricardo Lewandowiski, que é o Em 2007, Renan tornou-se suspeito de pagar despesas pessoais com dinheiro de Cláudio Gontijo, que trabalha para a empreiteira Mendes Júnior. Para justificar que tinha renda para fazer os pagamentos, Renan apresentou documentos e afirmou que tinha ganhos com a venda de gado. O senador pagava uma pensão mensal à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha.relator doA denúncia foi revelada pelo site da revista "Época". Nela diz Gurgel: "Em síntese, apurou-se que Renan Calheiros não possuía recursos disponíveis para custear os pagamentos feitos a Mônica Veloso no período de janeiro de 2004 a dezembro de 2006, e que inseriu e fez inserir em documentos públicos e particulares informações diversas das que deveriam ser escritas sobre seus ganhos com atividade rural, com o fim de alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante, qual seja, sua capacidade financeira". Renan foi acusado de falsidade ideológica e uso de documento falso porque, segundo a Procuradoria, "utilizou tais documentos ideologicamente falsos perante o Senado Federal para embasar sua defesa apresentada". caso.

Fonte: Folha de São Paulo