sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Nelson Padovani participa de reunião com ministros para discutir uso de defensivos agrícolas






Relator do endividamento rural na Câmara, o deputado federal Nelson Padovani (PSC-PR) e vários outros parlamentares da Frente Agropecuária (FPA) se reuniram no final da tarde dessa quarta-feira (4) com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e o ministro da Agricultura, Antonio Andrade, para cobrar uma solução urgente sobre o uso de defensivos agrícolas (agrotóxicos) no Brasil. A FPA quer que o governo publique um decreto liberando, em caráter emergencial, o uso de defensivos para o controle de pragas e doenças, especialmente da lagarta helicoverpa, que vem devastando lavouras de algodão no Oeste da Bahia, onde os prejuízos já ultrapassam R$ 1,5 bilhão.

De acordo com Padovani, os agricultores precisam de uma resposta rápida do governo, para evitar que os prejuízos aumentem ainda mais e atinjam outras culturas, como milho e soja. Ele lembra que o drama dos agricultores baianos é motivo de preocupação, uma vez que o uso do defensivo benzoato de emamectina – para controlar a lagarta helicoverpa armigera, que atacam principalmente as lavouras de algodão – foi proibido pelo Ministério Público.

“Nossa conversa com os dois ministros foi no sentido de sensibilizá-los para mais esta ameaça à produção agrícola. É uma situação lamentável, que não deveria estar ocorrendo. Não há um consenso entre as autoridades sobre o uso desse defensivo, e o produtor fica no meio do fogo cruzado, levando prejuízo, e quem perde com isso é o País”, frisou Padovani.

Além dos dois ministros, também participaram da reunião os presidentes da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Lopes, e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama), Volney Zanardi Junior, os secretários de Política Agrícola, Neri Geller, e de Defesa Agropecuária, Rodrigo Figueiredo, e representantes de associações de produtores e entidades diversas.

A informação do Departamento de Sanidade Vegetal do Ministério da Agricultura é de que o decreto emergencial para aplicação do benzoato de emamectina para controlar a helicoverpa armigera já estaria pronto, aguardando apenas a assinatura da presidente Dilma Rousseff. Ao final do encontro, a ministra Gleisi Hoffmann pediu um prazo de cinco dias para decidir sobre o assunto.

Claudivan Santiago – Assessor de Imprensa



NOTA DE REPÚDIO CONTRA A VIOLÊNCIA COMETIDA CONTRA ESTUDANTES DA UEM





Não é de hoje que procura-se relacionar os estudantes da UEM ao estigma de “baderneiros” e “desordeiros”.  Esse estigma acaba sendo empregado para justificar ações de violência como as ocorridas ontem.  Interessante que em épocas de vestibular milhares de vestibulandos são recebidos de braços aberto$.
 Ao contrário do que está sendo publicizado, ontem não estava acontecendo um sarau na UEM.  E mesmo que estivesse de forma alguma justificaria ações violentas.
Evitemos generalizações. Há sim agentes comprometidos com a função pública e a exercem com respeito às pessoas e sua dignidade.  Por outro lado, há aqueles que cometem desvios de conduta. Esses devem responder por seus atos, no rigor da lei.
O episódio de ontem comprova duas realidades. Primeiro o total despreparo dos agentes que atuaram nessa situação. Segundo, a existência de uma cultura de repressão que desrespeita direitos dos estudantes. Cultura  essa incompatível com o Estado Democrático de Direito.
Finalizando, nada justifica as violentas agressões contra esses estudantes. Toda a comunidade acadêmica, DCEs, Centros Acadêmicos, Conselho Universitário, SINTEMAR, SESDUEM, professores, estudantes, TODOS devem mobilizar-se imediatamente e exigir que a instituição apure as responsabilidades e puna os responsáveis. Exigir o fim da repressão dentro do campus da UEM. Exigir também a capacitação de seus agentes para que esses cumpram sua função essencial: zelar pelo patrimônio público.
Minha solidariedade aos estudantes que foram violentamente agredidos e meu repúdio a ação violenta desses agentes.

Paulo Vidigal, acadêmico de Direito da Faculdades Maringá, filiado ao PSTU.

Sarandi: Senador libera recursos para o asfalto da Giro Watanabe



O senador Sergio Souza esteve hoje, (6) de setembro em Sarandi, para anunciar a liberação de R$ 800 mil reais para a conclusão da pavimentação asfáltica da Avenida Giro Watanabe. O prefeito de Sarandi Carlos de Paula, acompanhou o senador e o ex -governador Orlando Pessuti até o bairro Jardim Novo Independência. Segundo De Paula, a prefeitura já fez parte da obra e agora com a liberação destes recursos toda a Avenida vai ser pavimentada. ”Nós fomos pedir ao senador recursos para a Giro, porque sabemos que este asfalto vai beneficiar muitos moradores que esperam por esta obra a muitos anos, e nós vamos ter a satisfação de realizar mais este sonho da nossa comunidade”. 


 Com informações: Assessoria de Comunicação de Sarandi