quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Secretário do governo Richa Ricardo Barros fica nervosinho com o repórter Agnaldo Vieira

O repórter Agnaldo Vieira foi entrevistar Ricardo Barros para saber detalhes de uma possível vinda a Maringá de uma fábrica de aviões cujo o empresário, proprietário da fábrica teria problemas com a justiça se surpreendeu com a reação de Barros.

 Veja aqui o vídeo extraído do Blog do Ângelo Rigon

Sem-teto devolve mochila com US$ 42 mil e recebe US$ 100 mil

Um homem que vive nas ruas de Boston, no nordeste dos Estados Unidos, que encontrou uma mochila com US$ 42 mil e a entregou imediatamente à polícia, recebeu uma recompensa muito maior do que poderia ter imaginado: uma coleta na internet chegou aos US$ 100 mil. Glen James, 54 anos, sem-teto desde 2005, havia encontrado a mochila, que continha um passaporte, US$ 2,4 mil em dinheiro e quase US$ 40 mil em cheques de viagem, em um centro comercial de Boston no último sábado. Imediatamente reportou à polícia sua descoberta. O chefe de polícia de Boston, Ed Davis, agradeceu pessoalmente a ele por sua atitude em uma cerimônia, onde também entregou uma menção especial por sua honestidade. Mas a coisa não parou por aí. Ao saber do ocorrido, Ethan Whittington, um contador de 27 anos que vive na Virgínia (leste), lançou na segunda-feira uma arrecadação de fundos no site gofundme.com para ajudar este sem-teto que não conhecia. Nesta quinta-feira, a coleta superava os US$ 100 mil, com mais de 4 mil contribuições, ofertas de casas, computadores, roupas e mensagens de lugares tão distantes quanto França e Tasmânia. "Senhor James, se vier a Paris deixo a você com prazer meu apartamento", escreveu no site Guihem Biju-Duval. Cynthia Laspogata também ofereceu no site "um apartamento de um quarto junto a uma fazenda de 1840" no Estado de Nova York. Glen James, que se expressa com dificuldade, afirmou modestamente que não pegou nem um centavo da mochila. E agradeceu Ethan Whittington por sua grande gentileza em uma conversa por telefone. "Estas doações me permitirão reiniciar minha vida", acrescentou. O homem já abriu uma conta bancária. "É você quem merece todos os elogios", respondeu Whittinhgton. "Você me devolveu a confiança na humanidade", completou

Recém-nascido é encontrado abandonado em terreno baldio

Um agricultou encontrou na manhã desta quinta-feira (1() uma recém-nascida abandonada em um cafezal em Cambé, no norte do Paraná. A menina estava deitada na terra, com a coberta por barro, sangue e formigas. O agricultor Roque Guizilini pediu ajuda de funcionários de uma empresa próxima ao local e a garota foi levada à Santa Casa, onde recebeu o nome de Maria Vitória pela equipe do hospital. Ela passa bem. A Polícia da cidade investiga o caso. A suspeita é de que o bebê tenha nascido durante a madrugada. Próximo ao local onde a criança foi encontrada, acharam roupas femininas e rastros de motocicletas.

Bebê de 7 meses é estuprada na Bolívia

Uma menina de 7 meses foi estuprada na cidade boliviana de El Alto, próxima da capital, o que revoltou a população e reavivou a antiga polêmica para endurecer a punição para estupradores. "Obtivemos o boletim do Hospital da Criança e ficou evidente que houve estupro, o delito está provado", declarou Virginia Aguilar, da Defensoria da Infância da prefeitura de El Alto. O crime ocorreu na segunda-feira e o agressor, identificado como Ronald C.F., de 25 anos, foi detido preventivamente. "A bebê precisou ser submetida a uma intervenção cirúrgica", informou o hospital, referindo-se a uma operação de reconstrução anal e vaginal. A população agora exige do governo um debate sobre o endurecimento das medidas contra os autores desse tipo de crime. No caso de Ronald C.F., ele deve pegar 25 anos de prisão sem direito a indulto.


Maringaense é atropelada e morta pelo filho em Maceió



O professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) em Arapiraca, identificado como Fábio Augusto Antea Rotilli, de 33 anos, assassinou a própria mãe, Alda Marina Antea, de 62 anos, no fim da tarde de quarta-feira (18), na BR-316, município de Satuba, região da Grande Maceió. Com seu New Beatle preto, de placa NLV-2333, de Arapiraca, Rotilli atropelou a mãe e passou sete vezes por cima do corpo da idosa. Uma amiga da vítima, identificada apenas como Rejane, presenciou o crime e conseguiu sair correndo do veículo. Depois de matar a mãe, o professor seguiu em direção a Maceió pela BR-316. Ao passar pela Superintendência da Polícia Rodoviária Federal (PRF), no bairro do Tabuleiro do Martins, em Maceió, Rotilli parou o carro, apresentou-se e confessou o crime. Sob custódia, o professor concedeu entrevista à reportagem do Tribuna Hoje. Sem demonstrar qualquer sentimento, Rotilli relatou que tentou estrangular a mãe com o cinto de segurança do carro. A senhora teria conseguido se libertar e saiu do veículo. Nesse momento, Rotilli deu ré e a porta do carro atingiu a senhora, que caiu na rodovia. O professor contou que passou sete vezes por cima do corpo da mãe antes de ir embora. Sobre o motivo do crime, Rotilli disse apensa que nunca havia recebido carinho da mãe. "Não estou arrependido. Fiz na hora certa. Viver sem amor é muito ruim. Inclusive, se tiver alguma moça interessada, entre em contato comigo", disse ironicamente o professor. Ele negou que tivesse problemas psiquiátricos e tomasse remédios controlados. Rotilli disse ainda que é professor da disciplina de Produção do Conhecimento, lecionada na área de Ciências Humanas da Ufal. Dois rapazes que presenciaram o crime em Satuba foram conduzidos para a PRF e conversaram com a reportagem. Eles contaram que Rotilli deu ré várias vezes no carro para passar por cima da idosa. Antes disso, quando o professor tentava estrangular a mãe, a amiga da idosa saiu correndo do carro para pedir ajuda. Segundo as testemunhas, ela havia entrado em estado de choque e nem sequer conseguia se levantar "por causa da tremedeira". Assim como Rejane, Alda morava em Maringá e estava em Maceió apenas para passar alguns dias com o filho. À PM, Rejane contou que Alda havia "dado tudo ao filho", inclusive o carro usado por Rotilli para matá-la. O professor foi levado por agentes da PRF para a Central de Flagrantes da Polícia Civil, no bairro do Farol, onde prestaria depoimento e seria autuado em flagrante por homicídio qualificado.

Dupla que matou e queimou moça grávida é encontrada morta em cela da 17ª SDP em Apucarana




O delegado-chefe da 17ª Subdivisão Policial (SDP), José Aparecido Jacovós, e o adjunto, Gustavo Dante da Silva, confirmaram no início da manhã desta quinta-feira (19) que José Adriano da Silva Neto, 23, que confessou o assassinato Ana Paula Alves Pires, 17, e o comparsa Fabiano Lima de Souza, 22, foram encontrados mortos em uma cela do setor de custódia provisória. Os dois teriam se enforcado. Uma equipe do Instituto de Criminalística está no local. A moça estava no oitavo mês de gestação. José Adriano era casado, pai de duas filhas menores e revelou que para matar a adolescente que ele tinha engravidado contou com a ajuda do amigo Fabiano Lima de Souza. Os dois já estavam separados dos demais encarcerados por questão de segurança, pois bjá teriam sido alvo de ameaças por parte de outros detentos. "O Fabiano dirigiu o carro e eu matei ela enforcada. Depois jogamos o corpo no mato e ele teve a ideia de usar uma toca para encharcar com combustível e atear fogo no corpo. Sou casado e tenho dua filhas e agora não sei como vou olhar para elas e para a minha esposa. A Ana engravidou e ficava me ameaçando de que iria tirar tudo de mim. Perdi e cabeça e estou muito arrependido", disse José Adriano após ser preso. Ele acrescentou que inicialmente o plano era jogar o corpo da menor no Rio Bom, mas a água estava baixa. Depois os criminosos pensaram em enterrar o cadáver da adolescente, "mas a terra estava muito dura para escavar", conforme revelaram. A polícia apreendeu até ferramenta que seria usada na escavação. José Adriano e Fabiano foram trazidos para a a unidade carcerária de Apucarana. Os dois foram presos na segunda-feira (16) à noite em Jandaia do Sul por força de mandado judicial (prisão temporária). Segundo a polícia, Adriano namorou Ana Paula durante um período em que ficou separado da esposa. “Ana Paula ficou grávida nesse período, em seguida ele reatou com a esposa e por isso não queria assumir a paternidade da criança e pediu a ela que fizesse um aborto” relata o delegado Dante. Ainda segundo o delegado, familiares da moça contaram que Adriano foi a última pessoa que esteve com Ana Paula na quarta-feira (11) da semana passada. Ele teria marcado um encontro com Ana Paula naquele dia, quando a jovem desapareceu. Por essa razão ele foi apontado pela polícia como principal suspeito de ter assassinado a jovem e teria caído em contradição durante depoimento. Ontem José Adriano teria pedido pra fazer um “acerto” na empresa onde trabalha e o delegado acredita que ele pretendia fugir. O corpo de Ana Paula foi reconhecido por familiares no IML de Apucarana pela arcada dentária.

Fonte: Tribuna Apucarana