sábado, 16 de novembro de 2013

Vereador falta à sessão para jogar futebol

O vereador Aldrey Azevedo (DEM) faltou a uma sessão da Câmara de Paranavaí, no noroeste do Paraná, e justificou, em gravação divulgada pela Casa, dizendo que tinha o compromisso "de jogar meu futebol de segunda-feira". Não houve justificativa formal por parte do parlamentar, segundo o próprio Legislativo. Azevedo afirma que preferiu não ir à sessão ordinária porque chegaria atrasado. "Realmente, não estive presente em uma sessão há dias atrás. Tinha meu compromisso de jogar futebol e, infelizmente, acabou mais tarde. Não achei justo chegar aqui na sessão às 21h, por exemplo", defende-se."Se existirem outras oportunidades que eu tenha que faltar, seja por qual razão for, eu vou faltar. Até porque, antes de ser político, eu tenho minha vida pessoal. Nem por isso, eu deixo de cumprir meu dever como vereador", declara o democrata. O vereador deve pagar multa de 25% do salário mensal, de R$ 4.386, já que o Regimento Interno da Câmara de Paranavaí prevê a sanção para quem faltar a uma sessão ordinária sem justificativa. "Se o regimento diz para descontar, nós vamos descontar do salário do vereador, se não tiver a justificativa da falta", afirma o presidente da Câmara, Mohamed Soumaille (PSBD).

Meu comentário: Quando eu penso que a canalhice de grande parte da classe política chegou ao limite, ai vem esse pseudo vereador de Paranavaí e me surpreende com essa pouca vergonha.

Vereadores de Maringá aprovam criação da CPI da Sanepar

Os vereadores da Câmara Municipal de Maringá (CMM) aprovaram, na sessão de quinta-feira (14), a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os serviços de água e esgoto prestados pela Sanepar em Maringá e também os investimentos feitos pela companhia na cidade.A comissão foi formada pelos parlamentares Chico Caiana (PTB), Luiz Pereira (PTC), Márcia Socreppa (PSDB), Carlos Mariucci (PT) e Adilson Cintra (PSB). De acordo com nota enviada pela Casa, a reunião para eleger o presidente e o relator da CPI será na próxima terça-feira (19), às 15 horas, no plenário. A reportagem tentou contato com os vereadores da comissão e com a assessoria de imprensa na Sanepar, mas, até as 17 horas desta sexta-feira (15), não teve retorno.

Fonte: Gazeta Maringá

Samu de Sarandi começa a atender



A ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Sarandi já esta atendendo os moradores. Doze profissionais foram contratados pela administração para prestar o atendimento, eles foram treinados pelos técnicos de Maringá, são cinco condutores e sete técnicos de enfermagem. O SAMU Sarandi vai ser regulado pela central de Maringá pelo telefone 192, a base móvel vai continuar na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Sarandi. A coordenação do SAMU estará a cargo do diretor clinico da UPA Cláudio Bernardeli. Cerca de 30% das ocorrências relatadas pela central de Maringá são de Sarandi, a base móvel estando aqui o atendimento vai ser feito com maior agilidade. Segundo o diretor administrativo da UPA André Jardim, o SAMU atende somente as ocorrências de trauma (queda, atropelamento, acidente), clinica (convulsão, psiquiatria). As demais ocorrências serão atendidas pela ambulância municipal nos números 3264-2544 ou 3264-2823. 

Com informações:  Assessoria de Comunicação de Sarandi

Ministro Joaquim Barbosa manda bandidos do mensalão para cadeia




Um ano depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) condenar 25 réus do processo do mensalão, maior escândalo político do governo Lula, 12 mandados de prisão foram expedidos nesta sexta-feira (15) e os primeiros condenados começaram a se entregar no início da noite. Até as 22h50, dez dos 12 condenados já haviam chegado a sedes da Polícia Federal: José Genoino, José Dirceu (SP); Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Simone Vasconcelos, Cristiano Paz, Romeu Queiroz, Kátia Rabello e José Roberto Salgado (MG); e Jacinto Lamas (DF). Delúbio Soares deve se apresentar neste sábado, em Brasília, segundo informou o advogado. Henrique Pizzolato não foi localizado por agentes da PF. Em julgamento realizado em 2012, sete anos depois que o escândalo estourou durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o STF considerou que um grupo comandado por José Dirceu, então chefe da Casa Civil, operou um esquema de compra de votos no Congresso (saiba as conclusões do julgamento). Depois de uma fase em que as penas foram definidas ainda em 2012 (dosimetria) e um período em que os réus puderam apresentar recursos contra as decisões, o STF julgou esses recursos até setembro, aceitando parte deles e rejeitando outros. No dia 13 de novembro, o tribunal decidiu que já era possível fazer cumprir as penas definitivas (transitadas em julgado), mesmo que o réu ainda pudesse recorrer de parte das condenações. Ordens de prisão As ordens de execução imediata das penas foram dadas pelo presidente do STF, Joaquim Barbosa, e chegaram à Polícia Federal em Brasília por volta das 16h10 pelas mãos de dois oficiais de Justiça. A PF disse que enviaria os ofícios para as superintendências regionais por meio de fax para iniciar a execução das prisões. A polícia não divulgou o teor dos ofícios.Segundo a PF, um avião deve buscar os presos nos estados e levá-los a Brasília no fim de semana. O primeiro condenado a se entregar foi o deputado federal licenciado e ex-presidente do PT, José Genoino. Ele chegou à sede da PF em São Paulo por volta das 18h20. Em nota divulgada antes de sair de sua casa, na Zona Oeste de São Paulo, Genoino disse que cumpriria a decisão "com indignação" e reafirmou que se considera inocente. José Dirceu disse que prisão é injusta, mas que cumprirá decisão. O presidente do PT, Rui Falcão, classificou as prisões como "casuísmo jurídico".

Condenados com mandado de prisão
A Polícia Federal em Brasília informou que os 12 mandados são referentes aos seguintes réus:
José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil
- Pena total: 10 anos e 10 meses
- Crimes: formação de quadrilha e corrupção ativa


José Genoino, deputado federal licenciado (PT-SP)
- Pena total: 6 anos e 11 meses
- Crimes: formação de quadrilha e corrupção ativa


Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT
- Pena total: 8 anos e 11 meses
- Crimes: formação de quadrilha e corrupção ativa
Marcos Valério, apontado como "operador" do esquema do mensalão
- Pena total: 40 anos, 4 meses e 6 dias
- Crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas
José Roberto Salgado, ex-dirigente do Banco Rural
- Pena total: 16 anos e 8 meses
- Crimes: formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e evasão de divisas
 Kátia Rabello, ex-presidente do Banco Rural
- Pena total: 16 anos e 8 meses
- Crimes: formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e evasão de divisas


Cristiano Paz, ex-sócio de Marcos Valério
- Pena total: 25 anos, 11 meses e 20 dias
- Crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro
Ramon Hollerbach, ex-sócio de Marcos Valério
- Pena total: 29 anos, 7 meses e 20 dias
- Crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas
Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Marcos Valério
- Pena total: 12 anos, 7 meses e 20 dias
- Crimes: formação de quadrilha, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas
Romeu Queiroz, ex-deputado pelo PTB
- Pena total: 6 anos e 6 meses
- Crimes: corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do extinto PL (atual PR)
- Pena total: 5 anos
- Crimes: corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil
- Pena total: 12 anos e 7 meses
- Crimes: formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro