Sarandi pode ficar sem dinheiro para rede de esgoto


De acordo com o Jornalista Angelo Rigon, a Prefeitura de Sarandi, segunda maior cidade da micro-região de Maringá, corre o sério risco de perder R$ 20 milhões destinados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) do governo Dilma Rousseff destinados ao saneamento básico (ampliação da rede de esgoto). Se o Ministério das Cidades não autorizar a Caixa Econômica Federal a assinar o contrato até o próximo dia 31, quarta-feira, o dinheiro será perdido. Para garantir que o governo faça sua parte, já que o município fez a sua, nesta segunda-feira o prefeito Carlos Alberto de Paula (PDT) ajuizou uma ação na Justiça Federal para que a Caixa assine o contrato (na foto, De Paula aparece ao lado de deputados, em 2013, por ocasião do anúncio da conquista dos recursos). Desde 2013 Sarandi espera a ampliação do esgotamento sanitário. Este ano, foram empenhados os recursos, que no total somam R$ 22 milhões (R$ 20 milhões do governo federal e contrapartida municipal de R$ 2 milhões), o maior valor entre todos os municípios paranaenses; o PAC 2 para saneamento incluiu ainda Tijucas do Sul. "Estamos empenhados há meses para a realização do projeto, que só de volumes tem 18 e exigiu empenho total dos engenheiros da prefeitura, além de uma série de providências", conta o prefeito, que chegou a realizar indenizações por solicitação do agente financiador. A parte que coube ao município de Sarandi foi toda feita, mas há 40 dias o contrato está parado na Caixa. O Ministério das Cidades não assina alegando que não tem dinheiro; se a assinatura não acontecer até quarta-feira, todo o trabalho terá sido em vão. Este não é o primeiro sinal de que o governo federal está com problemas financeiros. O asfaltamento dos jardins Universal e Triângulo também não foi pago, assim como o repasse para o pagamento de agricultores que fornecem a merenda para Sarandi. Sem contar a redução do repasse mensal para a Unidade de Pronto Atendimento, que caiu de R$ 170 mil para R$ 120 mil no último mês. De Paula, que chegou a falar com o ministro Gilberto Occhi, lamenta profundamente que tenha que apelar para a Justiça Federal para que o governo federal cumpra sua parte e beneficie uma população que reconhecidamente tem problemas de infra-estrutura. O investimento, se mantido, vai possibilitar que 80% dos domicílios sarandienses sejam ligados à rede de esgoto, contra os atuais 7%. O organograma prevê que ass obras estejam prontas, em toda a zona norte e parte da sul, em 24 meses. Em outubro, a prefeitura realizou a licitação que escolheu a construtora responsávela pela obras. O juiz Daniel Luis Spegiorin, da Justiça Federal de Umuarama, é quem decidirá sobre o atendimento ao pleito de Sarandi, na ação de obrigação de fazer.

Por Angelo Rigon

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse