quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Irmão de Requião é preso em Curitiba



Prisão só pode ocorrer neste período em flagrante delito. Foi o que aconteceu com o ex-secretário de Educação do Paraná Maurício Requião, irmão do candidato ao governo estadual, Roberto Requião (PMDB), que foi detido, com mais duas pessoas, no início da tarde desta quinta-feira (2) sob acusação de invadir um galpão com materiais de campanha do candidato Beto Richa (PSDB), na capital do estado.. No mesmo ato foram também detidos os indivíduos Tadeu de Melo e Silva, sobrinho do ex-governador Roberto Requião; e o advogado Leonidas Chavez Filho, que trabalha na campanha do PMDB. Maurício Requião, que à época da administração Requião era um dos apontados como beneficiado pelo nepotismo, conversou com jornalistas e disse que entrou no barracão, que fica no bairro Portão, para denunciar a existência de panfletos apócrifos contra o irmão-candidato. Agentes do Comando de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil e da Polícia Militar, o procurador da Justiça Eleitoral Alessandro de Oliveira e um representante da Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná (OAB-PR) foram até o barracão. Segundo informou o coordenador jurídico da campanha de Requião, Luiz Fernando Delazari, que se deslocou para o barracão, a campanha recebeu denúncias de que materiais apócrifos contra o senador estariam sendo armazenados no barracão. Por isso, o irmão do candidato, Maurício Requião, teria ido até o local na manhã de hoje, mesmo não sendo autoridade policial. E, pela informação, teria encontrado grande parte dos folhetos sendo queimados. Após a chegada da Polícia Militar, os três teriam recebido voz de prisão por invasão de propriedade. De início, a intenção era levá-los até uma delegacia, mas houve um consenso de que ninguém será levado preso do local. Um oficial de Justiça está no barracão, realizando uma vistoria, enquanto um segundo oficial também está se encaminhando ao local. A Polícia Civil não confirmou as informações. 

PT também está no local 

Advogado da campanha da candidata do PT, Gleisi Hoffmman (PT), Gustavo Guedes esteve também no l ocal e afirmou ter confirmado a existência de panfletos contra Requião, Gleisi e a presidenta Dilma Rousseff, candidata à reeleição. 

PSDB diz que panfletos foram plantados 

A campanha do candidato à reeleição Beto Richa confirmou que o barracão é utilizado como depósito de cavaletes e outros materiais. O coordenador da campanha, deputado Eduardo Sciarra (PSD), que foi para o local, afirmou que os materiais apócrifos teriam sido plantados para comprometer a coligação que apóia Beto Richa. Sciarra disse ainda que a invasão do barracão é um ato de desespero da campanha de Requião.


Grupo da Feliz Idade de Sarandi comemora o Dia do Idoso com passeios e palestras

Os coordenadores do Programa Feliz Idade da Secretaria de Assistência Social, estão promovendo desde o inicio da semana atividades para comemorar o dia do idoso. No dia 29 foram palestras, sobre doenças da terceira idade. Hoje, 30 de setembro o Grupo da Feliz Idade fez um passeio ao Parque do Japão em Maringá. Amanhã, 1 de outubro a psicóloga, Eliane Ribeiro de Faria vai fazer palestra na Casa da Cultura, na Praça Ipiranga centro de Sarandi, as 8 horas e as 14 horas com o tema, Envelhecimento na Terceira Idade. 







Com informações: Assessoria de Comunicação de Sarandi

MPF denuncia fraude milionária em fundação no Paraná

O Ministério Público Federal (MPF) em Cascavel/PR denunciou, nesta terça-feira (30/09), o presidente e diretores da Fundação Assis Gurgacz (FAG), Assis Gurgacz, Jaqueline Aparecida Gurgacz Ferreira e Assis Marcos Gurgacz, entre outros envolvidos, por crimes de peculato e fraude em licitação. Também ajuizou ação de improbidade administrativa em desfavor deles, da Fundação Assis Gurgacz, de duas empresas comerciais (Viapax Informática e Comercial Destro) e uma cooperativa (Coperserv), por enriquecimento ilícito, dano ao erário e violação dos princípios da administração pública. De acordo com o MPF, os acusados desviaram R$ R$ 4.571.825,50 (quatro milhões, quinhentos e setenta e um mil, oitocentos e vinte e cinco reais e cinquenta centavos) em valores atualizados, do Governo Federal. De acordo com a denúncia criminal e a ação de improbidade ajuizadas pelo MPF, os envolvidos desviaram os recursos recebidos do Ministério das Comunicações por meio do Convênio nº 147/2004-MC, que teve por finalidade a execução de política pública de Inclusão Digital, idealizada pelo Governo Federal para propiciar acesso à rede mundial de computadores e a um conjunto de serviços de informática às pessoas carentes. O Plano de Trabalho do Convênio previa a instalação de cinco telecentros comunitários, sendo quatro unidades móveis, constituídas de 12 computadores e um servidor cada um, e mais uma unidade fixa, com cinco laboratórios de informática, para serem utilizados por adolescentes e jovens carentes na Faculdade Assis Gurgacz, em Cascavel. As gravíssimas ilegalidades, que causaram relevantes danos ao Erário Federal, foram constatadas em auditorias da Controladoria-Geral da União (CGU) e do Tribunal de Contas da União (TCU). Dentre os principais ilícitos apontados estão: fraude em processo licitatório; aquisição simulada de ônibus que já integravam o patrimônio do Grupo Empresarial de Assis Gurgacz; compra realizada de pessoa jurídica que aparenta não existir concretamente e que tinha como objeto serviço absolutamente estranho ao da licitação; utilização de licitação pela modalidade "convite" para realizar aquisições superiores a R$ 80.000,00, em expressa inobservância ao disposto na Lei 8.666/93; pagamento do objeto da licitação em vários cheques inferiores a R$ 100.000,00 para não chamar a atenção do Banco Central e do Conselho de Controle de Atividades (COAF); utilização de cheques sacados pela Diretora de Administração da Fundação Assis Gurgacz para pagamento dos bens licitados; diferença nos valores das primeiras vias das notas fiscais utilizadas na prestação de contas em relação às segundas vias; incompatibilidade entre os preços declarados e aqueles praticados pelo mercado (sobrepreço); não localização dos bens que teriam sido licitados; desvio de finalidade do objeto do convênio e perda total do objetivo do convênio, já que a população destinatária dos serviços acabou por não ser atendida. Diante dessas constatações, concluiu-se que o interesse de uma parcela populacional que ainda se encontra à margem dos avanços tecnológicos e a política afirmativa idealizada pelo Estado Brasileiro serviram de mero subterfúgio para se promover o desvio de recursos públicos federais pelos réus. Assim, pior do que o volumoso prejuízo financeiro, o que se observou foi o total esvaziamento da política pública e a manutenção da situação de marginalidade social das pessoas que deveriam ser atendidas pelo programa. (com informações do Ministério Público Federal)

Homem é suspeito de estuprar enteada com câncer

Um homem, não identificado, foi preso em Apucarana (norte do Paraná) suspeito de estuprar a própria enteada. De acordo com as investigações da Polícia Civil, a menina sofria abusos do padrasto desde quando tinha seis anos de idade. Atualmente, a vítima tem 13 anos. A polícia começou a investigar o caso no dia 17 de setembro, depois de receber uma denúncia da mãe da menina. O suspeito foi detido de forma temporária dois dias depois. "A mãe notou que a filha estava agindo de forma diferente e foi conversar com ela. A menina contou sobre os abusos e a mulher denunciou o caso no mesmo dia. A mãe mostrou-se surpresa e disse que nunca tinha desconfiado de nada", contou na delegada da 17ª Subdivisão Policial (SDP) de Apucarana, Iane Cardoso do Nascimento. Ainda de acordo com a polícia, a garota teve câncer há alguns anos e continuou a sofrer com os abusos do padrasto mesmo estando doente e em tratamento. "A menina teve leucemia com seis anos e uma recaída quando tinha oito anos. Ela ia para Londrina fazer tratamento, ficava internada por alguns dias, mas, sempre quando voltava para casa, era estuprada pelo padrasto", explicou a delegada. Exames do Instituto Médico Legal (IML) de Apucarana comprovaram os estupros. A menina também já confirmou os abusos em depoimento à Delegacia da Mulher. "O depoimento da vítima durou mais de cinco horas. Ela contou alguns casos com riquezas de detalhes que impressionam", acrescentou Iane. A vítima vai passar por acompanhamento psicológico. O suspeito está preso no minipresídio de Apucarana, em uma cela específica e isolado dos demais presos. Ele nega as acusações. "O acusado disse que nunca tocou na enteada, mas não foi convincente", observou a delegada. A Polícia Civil de Apucarana pretende concluir as investigações e apresentar denúncia ao Ministério Público (MP) em 30 dias.

Assistência de Sarandi faz campanha por doações para FIA

A Secretaria Municipal de Assistência Social de Sarandi continua com a campanha de conscientização do empresariado local e pessoas físicas para que façam doações para o Fundo para a Infância e Adolescência de Sarandi-FIA. Estas doações podem ser feitas na declaração do imposto de renda, pela destinação de parte do Imposto devido por pessoas físicas ou jurídicas, além de doações voluntárias e de recursos públicos. Doando parte do imposto de Renda você beneficia os projetos sociais que atendem as crianças de Sarandi. O FIA é administrado pelos Conselhos de Defesa das Crianças e Adolescentes que é formado por membros de entidades governamentais e não governamentais que decidem o que vai ser feito com os recursos arrecadados. Quem pode doar: Pessoas físicas que declaram o imposto de renda pelo modelo completo podem destinar até 6% do imposto devido. Pessoas Jurídicas que são tributadas pelo lucro real podem destinar até 1% do imposto de renda devido durante o ano da Declaração, ou seja, até o último dia útil de dezembro de cada ano, podendo abater inclusive quando recolhido por estimativa. Consulte seu contador, maiores informações sobre o Fundo para a Infância e Adolescência de Sarandi podem ser obtidas na Secretaria de Assistência Social, com o Marcos ou Marisa, telefone: 3288-5414 ou 3288-5411. 


Assessoria de Comunicação de Sarandi

Sarandi: Residencial José Richa recebe seus novos moradores

Moradores do Residencial José Richa receberam nesta quarta-feira (1) de outubro a liberação para fazer a mudança. As chaves foram entregues no ato da assinatura dos contratos, a Caixa Econômica só liberou a mudança depois que o acesso ao bairro foi pavimentado. O Prefeito de Sarandi Carlos Alberto de Paula Junior e toda a sua equipe de trabalho acompanharam os moradores em suas novas moradias. 






 Assessoria de Comunicação de Sarandi