terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Sarandi pode ficar sem dinheiro para rede de esgoto


De acordo com o Jornalista Angelo Rigon, a Prefeitura de Sarandi, segunda maior cidade da micro-região de Maringá, corre o sério risco de perder R$ 20 milhões destinados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) do governo Dilma Rousseff destinados ao saneamento básico (ampliação da rede de esgoto). Se o Ministério das Cidades não autorizar a Caixa Econômica Federal a assinar o contrato até o próximo dia 31, quarta-feira, o dinheiro será perdido. Para garantir que o governo faça sua parte, já que o município fez a sua, nesta segunda-feira o prefeito Carlos Alberto de Paula (PDT) ajuizou uma ação na Justiça Federal para que a Caixa assine o contrato (na foto, De Paula aparece ao lado de deputados, em 2013, por ocasião do anúncio da conquista dos recursos). Desde 2013 Sarandi espera a ampliação do esgotamento sanitário. Este ano, foram empenhados os recursos, que no total somam R$ 22 milhões (R$ 20 milhões do governo federal e contrapartida municipal de R$ 2 milhões), o maior valor entre todos os municípios paranaenses; o PAC 2 para saneamento incluiu ainda Tijucas do Sul. "Estamos empenhados há meses para a realização do projeto, que só de volumes tem 18 e exigiu empenho total dos engenheiros da prefeitura, além de uma série de providências", conta o prefeito, que chegou a realizar indenizações por solicitação do agente financiador. A parte que coube ao município de Sarandi foi toda feita, mas há 40 dias o contrato está parado na Caixa. O Ministério das Cidades não assina alegando que não tem dinheiro; se a assinatura não acontecer até quarta-feira, todo o trabalho terá sido em vão. Este não é o primeiro sinal de que o governo federal está com problemas financeiros. O asfaltamento dos jardins Universal e Triângulo também não foi pago, assim como o repasse para o pagamento de agricultores que fornecem a merenda para Sarandi. Sem contar a redução do repasse mensal para a Unidade de Pronto Atendimento, que caiu de R$ 170 mil para R$ 120 mil no último mês. De Paula, que chegou a falar com o ministro Gilberto Occhi, lamenta profundamente que tenha que apelar para a Justiça Federal para que o governo federal cumpra sua parte e beneficie uma população que reconhecidamente tem problemas de infra-estrutura. O investimento, se mantido, vai possibilitar que 80% dos domicílios sarandienses sejam ligados à rede de esgoto, contra os atuais 7%. O organograma prevê que ass obras estejam prontas, em toda a zona norte e parte da sul, em 24 meses. Em outubro, a prefeitura realizou a licitação que escolheu a construtora responsávela pela obras. O juiz Daniel Luis Spegiorin, da Justiça Federal de Umuarama, é quem decidirá sobre o atendimento ao pleito de Sarandi, na ação de obrigação de fazer.

Por Angelo Rigon

Cid Gomes diz que anunciará novo piso para professores



Convidado para ocupar o Ministério da Educação no novo mandato da presidente Dilma Rousseff, o governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), já tem uma lista de prioridades que deverá por em prática nas primeiras semanas de janeiro. Gomes esteve ontem em Brasília, onde se reuniu com o atual ministro da pasta, Henrique Paim, e parte da equipe do governo federal. "Conversei com o Paim sobre algumas questões postas no calendário do Ministério. Na primeira semana depois da posse, será divulgado o reajuste do piso dos professores. Na segunda, o resultado do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), na terceira e quarta, abertura do Sisu (Sistema de Seleção Unificada)", afirmou ao Broadcast Político. De saída do governo estadual e de mudança para Brasília, Cid Gomes destaca como principal meta como ministro da Educação o debate sobre uma revisão da grade curricular do Ensino Médio. "Não será um currículo para todo o Brasil, mas vai procurar respeitar as questões regionais", ressaltou. A ideia, entretanto, já vem sendo trabalhada pelo ministro Henrique Paim, um dos defensores da flexibilidade do currículo de modo que o estudante não precise repetir o ano toda vez que for reprovado por uma ou duas disciplinas. No cerne das discussões dentro do governo, está a tentativa de se evitar a evasão escolar. O futuro ministro da Educação, que toma posse no dia 1º de janeiro, também defendeu a redução do período de alfabetização. "Acredito que a alfabetização pode ser feita até os 7 anos e não 8, como é hoje". No encontro que teve com a presidente Dilma no início do mês, quando foi convidado para o Ministério, a petista reforçou o pedido de atenção à ampliação da oferta de vagas em tempo integral. Na campanha eleitoral deste ano, a então candidata à reeleição prometeu que a rede de educação em tempo integral irá atingir 20% das vagas na rede pública até 2018. Sobre outra promessa de Dilma, a criação de creches, Cid Gomes considerou que ela deverá ser cumprida até 2017. "Já foram contratadas 6.180 creches. Acho que dá para concluí-las nos dois primeiros anos", afirmou.

Idoso é suspeito de matar namorada de 26 anos



Um homem de 69 anos, morador de Santa Albertina (615 km de São Paulo), é o principal suspeito de ter assassinado na tarde de segunda-feira (29) uma jovem de 26 anos, com quem mantinha "uma relação conturbada", segundo a polícia. Marielle Ieda Vello foi encontrada morta no sítio de João Tanaka com três tiros --no rosto, nas costas e no peito. De acordo com o investigador Percival Rodrigues, havia sinais de luta entre o casal e marcas de sangue pela casa, que fica a dois quilômetros do centro da cidade. A polícia suspeita que a vítima teria ameaçado ou tentado agredir o namorado com a faca. Marielle, de acordo com o investigador, responde processo criminal por tentativa de homicídio. Segundo ele, ela teria cravado um canivete "pequeno" no peito do pai da filha dela, de nove anos, durante uma discussão. A Polícia Militar informou que recebeu um telefonema anônimo, às 15h55 de ontem, informando o crime. Ao chegarem ao local, às 18h, policiais encontraram uma faca no chão e a jovem morta na entrada da cozinha. Segundo um amigo que não quis ser identificado, Tanaka é separado e pai de três filhos. Ele está foragido e não contratou advogado ainda, de acordo com Rodrigues. A expectativa é de que ele se apresente à polícia. A jovem, segundo a polícia, tinha uma loja de bordados, mas, há quatro meses, fechou o negócio e trabalhava em casa.

Fonte: UOL