Brasileiro trabalha 32 dias para pagar a corrupção e mais 151 para impostos



O custo da corrupção no Brasil cresce avassaladoramente e já representa 32 dias de trabalho por ano. Isso levando em conta apenas as finanças públicas, com superfaturamento de contratos. Para chegar a esse número, o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação analisou três milhões de compras de mercadorias realizadas por órgãos públicos federais, estaduais e municipais. O levantamento apontou que nesses casos os valores chegam a ser, em média, 17% superiores aos preços praticados pelo mercado privado. As informações são d'O Paraná. O estudo foi feito a partir da análise de documentos obtidos por meio da lei de acesso à informação e a comparação com os preços das mesmas mercadorias, nas mesmas datas, feitas por empresas privadas. Tão grave quanto a corrupção, e também um motivador importante dessa prática deletéria das finanças públicas, é o tempo que o País trabalha apenas para alimentar o caixa do serviço público. Dia 1º de junho foi o primeiro dia de 2015 que o brasileiro não trabalhou somente para pagar impostos, após 151 dias de labuta destinados a custear a tributação. Segundo o IBPT, isso corresponde a 41,37% da renda bruta do trabalhador. Esses números não seriam tão assustadores se o poder público brasileiro oferecesse à população contrapartida ao menos parecida com a assegurada por outros países com carga tributária idêntica.

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse