Mãe acusa médicos de causarem lesão em braço de bebê durante parto



Há 16 dias a dona de casa Gercineide Nogueira Sampaio, de 38 anos, deu à luz ao seu quinto filho, no hospital João Câncio Fernandes, em Sena Madureira. Três dias após o parto, ela percebeu que o filho não conseguia movimentar o braço.
Um raio-X feito no recém-nascido mostrou que houve uma lesão no membro. Com os resultados em mãos, a mãe fez uma denúncia no Ministério Público Estadual (MP-AC), alegando negligência médica e registrou um boletim de ocorrência na delegacia da cidade. A Secretaria de Saúde do Acre disse que vai se pronunciar sobre o caso por meio de nota.
Além da lesão no filho, Gercineide diz que foram feitos cortes durante o parto normal. Ela afirma que se sente constrangida com as cicatrizes em seu corpo. Ela alega que a criança era muito grande para fazer um parto normal, mas que mesmo assim os médicos insistiram e no momento do parto uma episiotomia foi necessária.
Lesões no bebê
O médico Carlos Marques Júnior, que faz residência em ortopedia, analisou o raio-X. Segundo ele, aparentemente não há sinal de fratura e o bebê pode ter sofrido uma paralisia obstétrica, uma lesão no nervo.
"De um modo geral ela tende a regredir e o paciente melhorar da paralisia, mas algum grau de paralisia fica. De início ela pode até pegar o braço como um todo, mas normalmente ela regride e se localiza só no ombro", explica.
O médico diz ainda que é possível fazer uma cirurgia para amenizar a situação quando a criança completar 3 ou 4 anos.A mãe do bebê diz que percebeu que havia algo errado porque o filho não parava de chorar.
"Me sinto péssima ao ver ele sem movimentar o braço. Não sei o que fazer, só quero que reparem o dano, o médico do hospital não foi me olhar, trocou o plantão, não passaram as informações e fizeram o parto de última hora", contou.
Segundo ela, o bebê terá que passar por um tratamento em Rio Branco para que volte a movimentar o braço. No entanto, ela afirma que que não tem recursos para pagar os exames ou mesmo viajar regularmente para a capital. Com a denúncia, ela espera que o Estado pague todos os custos do tratamento do filho.Mãe sofreu violência
Gercineide diz que havia pedido aos médicos que fizessem uma cesárea. O pedido não foi atendido e ela sofreu cortes na região do períneo.
"Se não tivessem feito esse corte eu teria morrido e meu filho também, mas minhas cicatrizes poderiam ter sido evitadas, pois, eu disse que o bebê era grande demais para o parto normal, mas eles insistiram e me aplicaram dois comprimidos no canal vaginal. Assim que fui internada pedi que fizessem a cesariana, mas não fizeram. Na hora do parto a cabeça da criança passou e o resto não, foi preciso que me retalhassem. Os cortes são muito constrangedores", relatou com a voz embargada.
Investigação
A promotora de Justiça, Patrícia Paula dos Santos, informou que o MP-AC está acompanhando o caso e vai pedir a abertura de um processo administrativo para apurar a conduta dos médicos na hora do parto.
"Apesar de ela ter informado que já fez um boletim de ocorrência, nós vamos verificar se esse inquérito policial foi instaurado. Vamos acompanhar em todos os sentidos e também apurar se houve crime. O Estado tem que fornecer o tratamento adequado, porque ela e a criança não estão bem. Talvez seja o caso de encaminhá-las para Rio Branco para ter um acompanhamento mais adequado", informou.
Procurada, a direção do hospital onde o parto ocorreu informou que quem iria se posicionar sobre o assunto seria a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). A Sesacre, por sua vez, disse que vai se posicionar por meio de nota.

Fonte: G1

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse