terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Polícia investiga grupo de homosexuais que transmite HIV de propósito

A Polícia Civil vai abrir inquérito e fará investigações online de grupos de homossexuais que transmitem o vírus da aids para parceiros sexuais propositalmente. A prática foi revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo no domingo. O secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, mobilizou a área de inteligência em internet da polícia para tentar identificar donos dos blogs que compartilham dicas de como contaminar outras pessoas sem serem percebidos. 

O pedido foi feito pelo secretário da Justiça e da Defesa e Cidadania, Aloísio de Toledo César. Em conversa com Moraes, ele pediu rigor nas investigações do que classifica como um "ato horrorizante". "Entendo que a homossexualidade é uma opção pessoal que deve ser respeitada, mas não se pode admitir, em hipótese nenhuma, que pessoas de baixo nível moral se esforcem para transmitir o HIV a outras", afirmou. 

Disfarce 

Segundo Toledo, Alexandre de Moraes orientou as equipes do Departamento de Inteligência da Polícia Civil (Dipol) para agirem disfarçadamente na identificação dos grupos. Serão analisados salas de bate-papo, páginas na internet, blogs e até clubes e saunas de sexo. 

"Combinamos de estimular todas as ações que possam evitar que essas pessoas continuem a retransmitir o vírus de forma criminal", disse Toledo. "Quando a transmissão se aperfeiçoa dessa forma dolosa, o entendimento da Justiça é de que a figura jurídica configura como uma tentativa de homicídio, com pena mais grave", complementou. 

Segundo o artigo 130 do Código Penal, a pena para quem transmite o vírus sem o consentimento do parceiro é de até 4 anos de prisão. 

Dicas 

A investigação da polícia começa depois que o Estado divulgou que adeptos da modalidade bareback, na qual homens gays transam com parceiros sem camisinha, têm compartilhado técnicas para fazer sexo sem proteção ou furar o preservativo. Conhecidos como o "clube do carimbo", divulgam fotos, vídeos e dicas com o "passo a passo" da contaminação. 

Em uma das páginas, as frequentes postagens alertavam que o carnaval e as férias escolares são momentos propícios para "carimbar" (quando o soropositivo retransmite o vírus), principalmente os jovens. Para os secretários, os criminosos só serão identificados se as vítimas denunciarem. "São casos complicados e muitas vezes são escondidos pelas próprias famílias. Para facilitar o processo de investigação, é necessária a denúncia dos casos à Polícia Civil", avaliou Toledo. 

J.S., de 67 anos, é moradora de São José dos Campos. O sobrinho, de 46, é soropositivo há mais de duas décadas. Segundo ela, a família inteira sabe que ele retransmite o vírus aos parceiros sexuais sem consentimento. "Ele falsifica todos os exames e mantém sites de encontro na internet. A nossa família sabe, e é totalmente negligente nesse assunto", afirma. "Meu desejo é denunciá-lo, porque não queria que um filho meu fosse infectado desse jeito." 

Criminalização 

Para as entidades que trabalham na prevenção da aids, a criminalização não é a melhor solução. 

Para Salvador Pereira Correa Junior, coordenador executivo da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia), criminalizar o ato da transmissão pode afastar as pessoas do teste e prejudicar a prevenção da doença. "Seria quase impossível você conseguir provar que a pessoa transmitiu o HIV intencionalmente. Poderia, por exemplo, um ex-companheiro se vingar e dizer que foi intencional", explicou. 

"Prender esse grupo causa muito mais pânico moral do que medida efetiva. O que não significa que nós somos a favor de qualquer tipo de transmissão intencional. Mas essa não é a saída", afirmou Correa. 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Padre afastado diz que 'é uma benção' ser pai




O padre Zenildo Megiatto, de Mandaguari, no norte do Paraná, foi suspenso da Igreja Católica porque tornou-se pai. A informação foi confirmada pela Arquidiocese de Maringá em comunicado divulgado nesta segunda-feira (23). O sacerdote assume que teve o filho com uma ex-ministra da paróquia, aos 65 anos, mas diz não concordar com o afastamento. "Não é isso que a gente queria, não acho que eu merecia ser afastado. É uma situação nova, mas é uma bênção. Não vou dizer que é um bicho de sete cabeças, não. Penso que isso deve ser enfrentado de maneira aberta, franca, com conversa", afirma o padre.O ex-pároco afirma ser contrário ao celibato e garante: há muitos outros padres que têm filhos, mas "ninguém vê". Ele pede um debate aberto sobre o assunto. "É uma opção. Você pode criar uma família e ser padre: por que não? O mundo mudou. O celibato tem que ser conversado, analisado, discutido. Precisa ser enfrentado de forma aberta, ou vamos manter uma hipocrisia. A discussão precisa ser enfrentada. Isso [o afastamento] pode ser um sinal? Um alerta de Deus? Por que não?", comenta Megiatto. "O clero está muito alto, muito distante. Algo que dá a impressão de que é um ET, um negócio diferente. Aí as pessoas pensam que o padre é um santo, intocável. Temos que nos aproximidar do povo. Se os padres tivessem essa condição [de ter filhos dentro das normas católicas], eles entenderiam muito mais sobre família. Abriria espaço para a igreja ser, de fato, missionária, familiar". O arcebispo de Maringá, dom Anuar Battisti, lamentou o ocorrido e citou o Papa Francisco para justificar a suspensão. Um outro padre, do município de Aquidaban, também foi afastado por suspeita de ter engravidado uma mulher. “Lamentamos profundamente o ocorrido e, dentro de uma postura de transparência fortalecida com as ações de abertura do Papa Francisco, o que tenho a dizer é que qualquer eventual erro do nosso clero deverá sempre ser tratado de acordo com as normas do direito canônico, que, neste caso, prevê a suspensão imediata do ministério sacerdotal”, disse o arcebispo, em nota.

Rodovias são bloqueadas no protesto de caminhoneiros no Paraná

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou, por volta das 17h desta segunda-feira (23), a lista das rodoviais que seguem parcialmente bloqueadas no protesto de caminhoneiros que já chega ao segundo dia no Paraná. 

Na região de Londrina, a manifestação está concentrada na praça de pedágio de Arapongas, na BR-369 e em um trecho que contorna a cidade de Cambé. Também houve um protesto na PR-445 que terminou por volta das 19h30. 

Anderson Coelho/Equipe Folha
Anderson Coelho/Equipe Folha


Durante o protesto, apenas veículos de passeio e caminhões com cargas vivas ou perecíveis estão sendo liberadas. 

Confira os pontos de bloqueio nas rodovias federais do Paraná: 

BR-163 km 32, Santo Antonio do Sudoeste 
BR-163 km 64, Pérola D´Oeste 
BR-163 km 86, Capanema 

BR-277 km 338, Guarapuava 

BR-369 km 179, Arapongas 

BR-373 km 478, Coronel Vivida 

BR-376 km 187, Marialva 
BR-376 km 245, Apucarana 
BR-376 km 295, Mauá da Serra 

Guardas Municipais de Sarandi apresentam as armas para a comunidade

Os agentes da Guarda Municipal de Sarandi concluíram a primeira parte do treinamento para o uso de armas letais. Nesta segunda-feira (23) de fevereiro, eles apresentaram o armamento à comunidade durante o treinamento físico, que foi comandado pelo Capitão Radames, percorrendo diversos bairros. Conforme o secretario de segurança do município Aparecido Antonio, os guardas terminaram a parte teórica do curso, agora vão para a parte prática, que é o treinamento de tiros, ele acredita que em 20 dias os agentes devam estar trabalhando com as armas, dando maior proteção para a população e também para eles. Desde 2013 a GM, recebeu autorização da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exercito Brasileiro para comprar as armas letais que foram compradas no final do ano passado, são 24 pistolas calibre 380 e 10 escopetas calibre 12. Estão sendo treinados 35 guardas, o curso tem 800 horas aulas e está sendo dado por oficiais da Policia Militar no 4º Batalhão de Maringá. O curso é exigência para obter o porte de arma, e esta sendo realizado por meio de um convênio entre a Secretaria do Estado da Segurança Pública, com contrapartida da Prefeitura municipal que será de R$ 76.460,00. Segundo o Prefeitura Carlos Alberto de Paula Junior, este é investimento que vem dando resultados os números confirmam que o índice de criminalidade diminuiu 80%. “Quando os nossos Guardas forem armados para as Ruas este número vai diminuir ainda mais. Nós estamos fazendo a nossa parte dando condições para que seja feito um trabalho com eficiência. Este ano nós vamos abrir um novo concurso para a contratação de mais guardas para completar o efetivo da nossa Guarda”, diz o Prefeito. 









Assessoria de Comunicação de Sarandi