sexta-feira, 10 de julho de 2015

Brasileiro trabalha 32 dias para pagar a corrupção e mais 151 para impostos



O custo da corrupção no Brasil cresce avassaladoramente e já representa 32 dias de trabalho por ano. Isso levando em conta apenas as finanças públicas, com superfaturamento de contratos. Para chegar a esse número, o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação analisou três milhões de compras de mercadorias realizadas por órgãos públicos federais, estaduais e municipais. O levantamento apontou que nesses casos os valores chegam a ser, em média, 17% superiores aos preços praticados pelo mercado privado. As informações são d'O Paraná. O estudo foi feito a partir da análise de documentos obtidos por meio da lei de acesso à informação e a comparação com os preços das mesmas mercadorias, nas mesmas datas, feitas por empresas privadas. Tão grave quanto a corrupção, e também um motivador importante dessa prática deletéria das finanças públicas, é o tempo que o País trabalha apenas para alimentar o caixa do serviço público. Dia 1º de junho foi o primeiro dia de 2015 que o brasileiro não trabalhou somente para pagar impostos, após 151 dias de labuta destinados a custear a tributação. Segundo o IBPT, isso corresponde a 41,37% da renda bruta do trabalhador. Esses números não seriam tão assustadores se o poder público brasileiro oferecesse à população contrapartida ao menos parecida com a assegurada por outros países com carga tributária idêntica.

Prefeitura de Sarandi vai abrir concessão para o transporte publico

Atendendo ao pedido dos moradores de Sarandi, o prefeito Carlos Alberto de Paula Junior pediu a abertura de licitação para a contratação de empresa para a concessão de transporte coletivo para fazer a integração inter bairros do município. Segundo o secretario de administração, Luiz Gustavo Martins existe no município muitos bairros que não tem ligação com o centro da cidade, e bairros novos que precisam de novas linhas para melhorar o atendimento. Luiz explica que a prefeitura já fez a publicação justificando a necessidade de abertura da licitação, com urgência para a prestação de serviço do transporte coletivo por meio de concessão ou permissão de serviço publico, agora é esperar os tramites legais para marcar a data da licitação. A concessão e o prazo de vigência podem ser prorrogados para que o serviço seja realizado de forma ininterrupta, em até 20 anos se assim a administração julgar conveniente. 

 Com nformações :Assessoria de Comunicação de Sarandi