segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Criança é baleada na cabeça e morre em Maringá


Uma criança de dois anos e 11 meses morreu após ser baleada acidentalmente na cabeça na tarde desta segunda-feira (23), no Residencial Pioneiro Odwaldo Bueno Netto, em Maringá. O crime aconteceu por volta das 14h, na casa da família, na Rua Dolores Duran. De acordo com a Polícia Militar, o autor do disparo é cunhado do pai da pequena Stephany Caroline Michalski Rigobelli, pois namoraria a irmã da mãe da criança. As primeiras informações são de que o suspeito Douglas Silva Campos, 19 anos, manuseava a pistola calibre 22 dentro de casa, em meio à família, quando acionou o gatilho e efetuou o disparo fatal. O projétil atingiu a face da garotinha, pouco abaixo do olho direito, e atravessou a cabeça da menina. Ela chegou a ser socorrida e levada até a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da Zona Sul, unidade hospitalar mais próxima da residência, pelos próprios policiais militares. Os médicos tentaram salvar a menina, que não resistiu aos ferimentos e morreu. Logo após o crime, o rapaz fugiu do local.
O corpo da pequena Stephany foi encaminhado no começo da noite para o Instituto Médico Legal (IML) de Maringá. Ainda não há informações sobre o local do velório e do sepultamento da menina.



Pequena Stephany



Fonte: O Diário de Maringá

Justiça determina indisponibilidade de bens de todos vereadores de Jataizinho



A Vara Cível de Ibiporã determinou a indisponibilidade de bens de todos os nove vereadores da Câmara Municipal de Jataizinho. Segundo investigações da Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público de Ibiporã, os vereadores receberam dos cofres públicos valores referentes a várias sessões legislativas nas quais não estariam presentes, nem justificaram as faltas. Na sessão realizada na Câmara em 10 de junho de 2013, por exemplo, nenhum dos vereadores compareceu ao ato ou justificou ausência, mas as faltas não foram descontadas de seus subsídios. O Ministério Público buscou o ressarcimento dos valores recebidos indevidamente, expedindo recomendação administrativa ao presidente do Legislativo, mas esta não foi atendida. Além disso, notificou individualmente cada vereador para que procedesse a devolução espontânea dos valores, medida também sem êxito. Em vista disso, ajuizou a ação na qual pediu a indisponibilidade dos bens, além da condenação dos réus por ato de improbidade administrativa.

Um baque para a esquerda latina



A vitória de Maurício Macri nas eleições para a presidência da Argentina (acima, ele ao votar) põe fim a 12 anos conhecidos como Era Kirchner, um período em que o país se transformou numa espécie de paraíso da heterodoxia econômica, misturada ao populismo típico dos peronistas, à progressiva irrelevância no cenário internacional e a tentativas frequentes – embora nem sempre bem-sucedidas – de controlar o Judiciário e a imprensa. Trata-se, também, de um baque para a esquerda latino-americana, acostumada a ídolos populistas e a ver os “hermanos” como aliados no combate ao “imperialismo ianque”. Se você anda chocado com o resultado cada vez pior da política econômica implantada no governo da presidente Dilma Rousseff, é bom lembrar que nada se compara a Cristina Kirchner. O efeito Orloff – piada baseada naquela propaganda de vodca cujo slogan era “eu sou você amanhã” – aparentemente continua valendo: os argentinos estão anos adiante do Brasil no caminho da bancarrota. Basta lembrar que a Argentina vive há mais de dez anos na tal “nova matriz econômica”, aquela que preconiza mais gastos públicos para fazer a economia crescer, foi implantada no primeiro governo Dilma e é defendida até hoje pelos economistas heterodoxos e pelos desinformados nas páginas dos nossos jornais. Lá, o resultado disso foi o previsível. A inflação é estimada em 25% – estimada porque os índices oficiais não são confiáveis desde que o governo interveio no IBGE argentino, o Indec, para manipular os cálculos. O país não sabe direito o que é crescimento econômico desde 2012, ano que marca o esgotamento no ciclo de alta no preço de commodities globais como soja e petróleo. A classe média portenha flerta com a pobreza há anos, e a miséria se espalha pelas províncias mais pobres, onde boa parte da população é sustentada pelas políticas sociais do governo. Cerca de 40% da população argentina recebe uma pensão, salário ou benefício do Estado, parcela que dobrou desde Cristina assumiu o poder em 2007. Déficit público, porém, é com a Argentina mesmo. O resultado fiscal como proporção do Produto Interno Bruto (PIB) vem piiorando ano após ano pelo menos desde 2008 – de um superávit de 1% para um déficit de 6% este ano. O dólar no câmbio paralelo, ou “dólar azul, como é chamado por lá, tinha, até as eleições, uma cotação 70% superior ao câmbio oficial. As reservas cambiais estão perto do fim. Não há acordo para a renegociação da dívida externa, pois vários credores não aceitaram os termos do calote dado por Cristina. Com isso, a Argentina não tem crédito na praça. Ao longo de 12 anos, o populismo introduziu no léxico argentino um vocabulário próprio – os “abutres” (fundos que não aceitam os termos de renegociação), a “década ganha” (cínico apelido dado por ela à Era Kirchner), a “mesa dos argentinos” (outra expressão cínica usada para justificar o controle das importações, de modo a privilegiar a produção local), além de tiradas como “medir a pobreza estigmatiza” ou “matriz produtiva diversificada com inclusão social”. Todo esse linguajar acabava se resumindo a uma única letra: K, de Kirchner. Com a eleição de Macri, a Argentina deverá adotar um alfabeto mais plural e um novo vocabulário. Ele é o primeiro presidente não oriundo nem da ala peronista nem da radical, que dominam a política argentina há décadas. Sua chapa, a Cambiemos, foi eleita com base em uma plataforma de tons liberais, contrária ao controle do comércio ou dos capitais. Deverá promover mudanças pró-mercado, como o fim do controle cambial. Mas Macri já afirmou que não mexerá nos programas sociais, nem reverá nacionalizações, como as dos fundos de pensão e da petrolífera YPF. A principal mudança deverá ser a adoção de uma postura mais insitucional diante da imprensa e do poder Judiciário. Ele não tem o perfil bolivariano do casal Kirchner. Na política externa, é esperado o afastamento da Argentina do eixo formado por Venezuela, Bolívia e Equador. Tanto Macri quanto o derrotado Scioli disseram que gostariam de voltar a se aproximar mais dos Estados Unidos. É um movimento que também tende a beneficiar o Brasil. É, por fim, absolutamente inverossímil que Macri se enrole tanto quanto Cristina se enrolou numa investigação policial – prestes a denunciar Cristina por acobertar o papel do Irã em dois atentados terroristas em Buenos Aires, o promotor Alberto Nisman foi encontrado morto em condições misteriosas. Filho de um empresário, Macri foi vítima de um sequestro violento em 1991, que só terminou quando seu pai pagou o resgate de US$ 6 milhões. Por 12 anos, até 2007, era famoso como o presidente do time de futebol Boca Juniors. Jamais foi conhecido pelo carisma, pelo bom humor ou pelo dom para a oratória. Entrou na política como deputado, depois foi eleito prefeito de Buenos Aires. Fez várias melhorias na infra-estrutura da cidade, tanto em transporte quanto em habitação, além de implementar reformas no Banco Ciudad, controlado pelo município. Sua maior dificuldade para governar será interna. Apenas 4 dos 22 governadores eleitos em outubro passado podem ser considerados seus aliados. A coligação de Macri terá uma maioria apertada na Câmara de Deputados, e o Senado será controlado pelos kirchneristas por uma margem ampla. Não se sabe qual será também a reação de Cristina após a derrota de seu candidato, Daniel Scioli. Tanto Scioli, 58, quanto Macri, 56, fazem parte de uma nova geração na política argentina. Ambos estavam ainda na adolescência nos anos de chumbo da ditadura. Não viveram a radicalização que fraturou o país. Só vieram a se interessar por política muito depois, quando a Argentina já era uma democracia. “A geração pós-democrática, cujos integrantes pertencem a distintos partidos, tem uma forma distinta de se relacionar com a política”, escreve no jornal “La Nación” o colunista Joaquín Solá. “Bem-vindos. Estava na hora de que chegasse uma geração que não tivesse a necessidade de explicar o mundo como uma conspiração e sem líderes ungidos em semi-deuses.” O mesmo vale para o Brasil.


Fonte: G1