terça-feira, 1 de março de 2016

Dnit lança edital de licitação do Contorno Sul Metropolitano



Edital da obra permite a participação de consórcios de até três empresas no certame Abertura dos envelopes com as propostas das empresas foi agendada para dia 15 de abril A Superintendência Regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) no Paraná publicou o edital de licitação para a contratação das obras de implantação e pavimentação do Contorno Sul Metropolitano. A contratação de uma empresa para a construção do desvio rodoviário de 32,3 quilômetros é aguardada desde meados de 2014, quando o Dnit realizou audiência pública para apresentar o traçado e os estudos de viabilidade econômica e ambiental do projeto. A obra será contratada por meio de concorrência pública com a disputa focada na apresentação do melhor preço. A abertura dos envelopes com as propostas das empresas interessadas foi agendada para 15 de abril. O valor proposto para a construção é de até R$ 354,7 milhões. O edital da obra permite a participação de consórcios de até três empresas no certame. O Contorno Sul Metropolitano corta os municípios de Maringá, Paiçandu, Sarandi e Marialva. O ponto inicial é na BR-376, próximo ao Patrimônio de São Domingos, na saída de Maringá para Mandaguaçu. O ponto final do desvio rodoviário é no Contorno Sul de Marialva, também na BR-376. Parte dos recursos da construção foram garantidos por meio de emenda da bancada paranaense, apresentada ao orçamento da União de 2016. O prazo para a construção determinado no edital é de 1.080 dias após a assinatura da ordem de serviço, o equivalente a três anos. O projeto prevê trevos completos nos cruzamentos do contorno com a BR-376, PR-323 e PR-317, bem como no prolongamento da Avenida Carlos Correia Borges, próximo a Cidade Industrial de Maringá. Também são previstas pontes sobre os ribeirões Pinguim, Água Ipú e sobre o Córrego Água Suja. O estudo contempla ainda um viaduto sobre a linha do futuro transporte VLT, próximo ao Aeroporto de Maringá, conforme projetos da prefeitura. Para o prefeito de Maringá, Carlos Roberto Pupin, o contorno será estratégico para o desenvolvimento regional e complementa outras propostas de mobilidade regional como o Trem Pé Vermelho e o Contorno Norte. "É uma obra dentro do nosso projeto de mobilidade urbana, retirando o trânsito rodoviário da zona urbana e criando um corredor de desenvolvimento com os municípios vizinhos", considera.O prefeito de Sarandi, Carlos De Paula (PDT), avalia que a construção do contorno é muito positiva. "Em Sarandi tem muita mão-de-obra, mas temos pouco espaço para expansão das áreas industriais, pois a Avenida Colombo está saturada. Fizemos um planejamento para a cidade chegar aos 300 mil habitantes e na zona Sul de Sarandi temos um grande projeto com avenidas largas que vão interligar a cidade ao Contorno Sul Metropolitano", destaca o prefeito. A abertura de uma nova área industrial também é apontada pelo prefeito de Marialva, Edgar Silvestre (PSB), o Deca, como favorável para o desenvolvimento regional. "Será excelente para Marialva. Teremos um acesso fácil ao aeroporto e a região sul de Maringá, bem como teremos uma área muito grande para as indústrias. Vai valorizar e muito toda essa área do município de Marialva", observa. O prefeito de Paiçandu, Tarcísio Marques dos Reis (PT), afirma que o ideal seria ter um contorno ao redor do município. Mas ele considera a obra positiva para os moradores da cidade e da região. "Nosso desejo era que Paiçandu ficasse dentro do anel viário e não fosse cortada, mesmo assim teremos ganhos com a mobilidade".


Com informações O Diário Maringá

Nenhum comentário: