Dnit lança edital de licitação do Contorno Sul Metropolitano



Edital da obra permite a participação de consórcios de até três empresas no certame Abertura dos envelopes com as propostas das empresas foi agendada para dia 15 de abril A Superintendência Regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) no Paraná publicou o edital de licitação para a contratação das obras de implantação e pavimentação do Contorno Sul Metropolitano. A contratação de uma empresa para a construção do desvio rodoviário de 32,3 quilômetros é aguardada desde meados de 2014, quando o Dnit realizou audiência pública para apresentar o traçado e os estudos de viabilidade econômica e ambiental do projeto. A obra será contratada por meio de concorrência pública com a disputa focada na apresentação do melhor preço. A abertura dos envelopes com as propostas das empresas interessadas foi agendada para 15 de abril. O valor proposto para a construção é de até R$ 354,7 milhões. O edital da obra permite a participação de consórcios de até três empresas no certame. O Contorno Sul Metropolitano corta os municípios de Maringá, Paiçandu, Sarandi e Marialva. O ponto inicial é na BR-376, próximo ao Patrimônio de São Domingos, na saída de Maringá para Mandaguaçu. O ponto final do desvio rodoviário é no Contorno Sul de Marialva, também na BR-376. Parte dos recursos da construção foram garantidos por meio de emenda da bancada paranaense, apresentada ao orçamento da União de 2016. O prazo para a construção determinado no edital é de 1.080 dias após a assinatura da ordem de serviço, o equivalente a três anos. O projeto prevê trevos completos nos cruzamentos do contorno com a BR-376, PR-323 e PR-317, bem como no prolongamento da Avenida Carlos Correia Borges, próximo a Cidade Industrial de Maringá. Também são previstas pontes sobre os ribeirões Pinguim, Água Ipú e sobre o Córrego Água Suja. O estudo contempla ainda um viaduto sobre a linha do futuro transporte VLT, próximo ao Aeroporto de Maringá, conforme projetos da prefeitura. Para o prefeito de Maringá, Carlos Roberto Pupin, o contorno será estratégico para o desenvolvimento regional e complementa outras propostas de mobilidade regional como o Trem Pé Vermelho e o Contorno Norte. "É uma obra dentro do nosso projeto de mobilidade urbana, retirando o trânsito rodoviário da zona urbana e criando um corredor de desenvolvimento com os municípios vizinhos", considera.O prefeito de Sarandi, Carlos De Paula (PDT), avalia que a construção do contorno é muito positiva. "Em Sarandi tem muita mão-de-obra, mas temos pouco espaço para expansão das áreas industriais, pois a Avenida Colombo está saturada. Fizemos um planejamento para a cidade chegar aos 300 mil habitantes e na zona Sul de Sarandi temos um grande projeto com avenidas largas que vão interligar a cidade ao Contorno Sul Metropolitano", destaca o prefeito. A abertura de uma nova área industrial também é apontada pelo prefeito de Marialva, Edgar Silvestre (PSB), o Deca, como favorável para o desenvolvimento regional. "Será excelente para Marialva. Teremos um acesso fácil ao aeroporto e a região sul de Maringá, bem como teremos uma área muito grande para as indústrias. Vai valorizar e muito toda essa área do município de Marialva", observa. O prefeito de Paiçandu, Tarcísio Marques dos Reis (PT), afirma que o ideal seria ter um contorno ao redor do município. Mas ele considera a obra positiva para os moradores da cidade e da região. "Nosso desejo era que Paiçandu ficasse dentro do anel viário e não fosse cortada, mesmo assim teremos ganhos com a mobilidade".


Com informações O Diário Maringá

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse