Homem mata quatro pessoas da própria família e comete suicídio

Parecia um domingo comum na casa da família Pasquali. Pai, mãe, filho, nora e neto estavam juntos na casa em que moravam, no bairro Aventureiro, em Joinville, preparando um churrasco para o almoço. Mas a manhã acabou com uma tragédia que chocou a cidade. Roberto Pasquali, de 24 anos, se matou com um corte de faca no pescoço. Mas, antes, matou o filho, Júlio César Pasquali, de três anos; a mulher, Aline Grasiela Dilkin, 25 anos; e o pai Nereu César Pasquali.

Ele também atacou a própria mãe, Cleci Aparecida Melle Pasquali, de 50 anos, que foi socorrida e levada para o Hospital Municipal São José. Ela passou por uma cirurgia durante a tarde de domingo, mas acabou morrendo na madrugada desta segunda-feira.

Roberto matou a mulher e o filho, que faria quatro anos no dia cinco de dezembro, na cozinha da casa. Segundo o Instituto Médico legal (IML), a criança apresentava um corte profundo no pescoço e levou um tiro na cabeça. A mãe também foi esfaqueada no pescoço e baleada.

Após matar os dois dentro de casa, ele foi até a garagem e encontrou o pai já de joelhos. Esfaqueou e deu um tiro na cabeça do pai. Depois, esfaqueou a mãe. Voltou até perto da porta da cozinha e se matou com golpes de faca no peito e um corte profundo no pescoço.

De acordo com informações da Polícia Militar, as armas usadas no crime foram uma pistola calibre .38 e uma faca de churrasco. Na casa, a PM também encontrou uma outra arma de calibre .40. Roberto não tinha antecedentes criminais.

Roberto e a família vieram do Paraná há pouco mais de três meses. Eles moravam em Santa Izabel do Oeste, cidade de 13 mil habitantes, e estavam recomeçando a vida em Joinville após perderem a empresa que tinham no Paraná.

Vizinho testemunhou o crime

O vizinho Jailton Rocha, de 32 anos, foi uma das testemunhas da tragédia. Ele roçava a grama de casa quando começou a ouvir os tiros e a gritaria. Minutos antes, havia conversado com Nereu e Cleci pelo muro. O casal estava na garagem da casa, assando a carne para o almoço. O filho, a mulher e o neto estavam dento de casa.

Jailton recusou o convite para se juntar aos vizinhos no almoço, pegou uma extensão emprestada e começou a roçar a grama de casa. Pouco depois, o vizinho ouviu a mulher de Roberto gritar.

— Ela dizia "não faz isso" — lembra o vizinho.

Jailton espiou pelo muro e viu Roberto sair da cozinha, esfaquear e atirar contra a mãe e o pai.  Quando ele voltava em direção a porta da cozinha, Jailton se escondeu, pois achou que o vizinho atiraria nele. Mas o que se seguiu foi o silêncio. Então, o vizinho subiu novamente no muro e encontrou Roberto morto.

Outros vizinhos cercaram a casa da família Pasquali em busca de informações após o crime, que ocorreu por volta das 11 hora da manhã.

O delegado responsável pelo caso, Dirceu Silveira Junior, afirmou que a polícia vai ouvir testemunhas e apurar os fatos que levaram Roberto a cometer esse crime bárbaro contra a família. O delegado ressalta que testemunha e todas as evidências no local apontam que Roberto cometeu os crimes e se matou.

— Já surgiram diferentes versões, mas a única que é confirmada pela perícia e pelas evidências no local é a que aponta Roberto como culpado.

Os corpos aguardam liberação do IML.

Irmão diz que Aline estava feliz

— Estou chocado. Não tenho palavras — diz Odair José Dilkin, 34 anos, que tenta entender o que teria levado o cunhado matar a irmã e o sobrinho. Ele mora faz dois anos na Califórnia, nos EUA, e tenta chegar o quanto antes ao Brasil para o enterro dos familiares.

Segundo Odair, o casal estava junto há sete anos. Sua família é de Planalto, cidade vizinha a de Santa Izabel do Oeste, de onde é a família de Roberto. Aline era a mais nova de quatro irmãos, e Odair falava com ela constantemente pela internet. Ele afirma que eles estavam felizes em Joinville, e que o casal era muito tranquilo.

OBS: Morreu por volta das 2h desta segunda-feira (7) a mulher internada em Joinville  mãe de Roberto Pasquali.



Comentários

As mais visitadas

POLÍCIA DE MARINGÁ FLAGRA TÉCNICO DE FUTEBOL ABUSANDO DE MENINA DE 11 ANOS

Semana Pedagógica discutiu base curricular na Educação Infantil e Fundamental