terça-feira, 15 de março de 2016

Motorista de automóvel morre após acidente entre Borrazópolis e Cruzmaltina

Acidente entre caminhão do governo do Paraná e automóvel de Londrina entre Borrazopolis e Cruzmaltina no Bairro Primavera. Após a batida o caminhão tombou é o carro capotou deixando o o motorista do carro morto entre as ferragens do carro.





Alunos da Escola Machado de Assis vão para a Cecília Meireles

A Secretaria Municipal de Urbanismo e a Secretaria Municipal de Educação de Sarandi decidiram interditar a Escola Municipal Machado de Assis, até que saia a conclusão do laudo técnico de engenharia sobre as rachaduras existentes no prédio. Segundo a secretária municipal de educação, Adriana Palmieri, a medida é preventiva para que as crianças fiquem em segurança. A escola tem 9 turmas, as 4 turmas do período da manhã vão ser transferidas para a Escola Cecília Meireles e as do período da tarde vão para a o salão de catequese do Jardim Panorama e para o salão da Igreja Santa Terezinha. Conforme Adriana as crianças não vão perder aula, as que vão para a Escola Cecília Meireles começam as aulas amanhã (15), as outras o mais rápido possível. “Nós visamos em primeiro lugar à segurança de nossas crianças, por isto decidimos aguardar o laudo dos engenheiros com as crianças em segurança, fizemos tudo o mais rápido possível para que não haja prejuízos”,explica Adriana. 


Com informações: Assessoria de Comunicação de Sarandi

Ministro do STF homologa delação de Delcídio que cita Dilma e Lula



O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki confirmou nesta terça-feira (15) a delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) sobre o esquema de corrupção da Petrobras à forçatarefa da Operação Lava Jato. A colaboração do parlamentar traz citações à presidente Dilma Rousseff, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ministros e ex-ministros e ainda a integrantes da cúpula do PMDB no Senado e ao presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG). Agora, os investigadores vão analisar se as menções feitas por Delcídio aos políticos trazem indícios mínimos que justifiquem a abertura de inquéritos. Leia a íntegra da delação Os termos do acerto revelam que o petista terá que devolver R$ 1, 5 milhão aos cofres públicos por seu envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. 

 LULA 

De acordo com a delação, publicada pela revista "IstoÉ", o parlamentar revelou que Lula mandou comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró e de outras testemunhas. De acordo com a revista, Delcídio diz que Lula pediu "expressamente" para que ele ajudasse o pecuarista José Carlos Bumlai porque o empresário estaria implicado nas delações de Fernando Baiano e Nestor Cerveró. Para o senador, Bumlai tinha "total intimidade" e exercia o papel de "consigliere" da família Lula, expressão em italiano que remete aos conselheiros dos chefes da máfia italiana. "No caso, Delcídio intermediaria o pagamento de valores à família de Cerveró", afirma o acordo de delação. Na conversa com o ex-presidente, de acordo com outro trecho da delação, Delcídio diz que "aceitou intermediar a operação", mas lhe explicou que "com José Carlos Bumlai seria difícil falar, mas que conversaria com o filho, Maurício Bumlai, com quem mantinha boa relação". Depois de receber a quantia de Maurício Bumlai, a primeira remessa de R$ 50 mil foi entregue em mãos pelo próprio Delcídio ao advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, também preso pela Lava Jato e solto em 24 de fevereiro. 

 DILMA 

Em sua delação, Delcídio também falou que Dilma Rousseff usou sua influência para evitar a punição de empreiteiros, ao nomear o ministro Marcelo Navarro para o STJ (Superior Tribunal de Justiça). O senador, em seu relato, cita outros senadores e deputados, tanto da base aliada quando da oposição. Segundo a publicação, o senador petista revelou que Dilma tentou três vezes interferir na Lava Jato com a ajuda do ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. "É indiscutível e inegável a movimentação sistemática do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da própria presidente Dilma Rousseff no sentido de tentar promover a soltura de réus presos no curso da referida operação", afirmou. Anteriormente, a petista tentou influenciar o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, e buscou um acordo com o presidente do TJ de Santa Catarina, Nelson Schaefer. O catarinense seria nomeado para o STJ se o juiz substituto na corte Newton Trisotto, também de Santa Catarina, votasse pela libertação dos empreiteiros.