quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Chuva forte provoca alagamentos e quedas de árvores no noroeste do PR


Uma chuva forte que atingiu a região noroeste do Paraná na madrugada desta quarta-feira (26) causou vários estragos em Cianorte e Umuarama. Os bombeiros das duas cidades atendem nesta manhã ocorrências de quedas de árvores e casas alagadas. Não há registro de moradores desabrigados ou de casas destelhadas.

Em Cianorte, a cidade mais atingida, há registros de dez quedas de árvores e de um poste de energia. Foram registrados problemas em frente à rodoviária, na estrada Guarapé e nas rodovias PR-082 – de Cianorte para Terra Boa -, na PR-323 e na PR-567 – do distrito de São Lourenço para Cianorte.  Um carro que estava estacionado na Avenida Bahia foi arrastado pela água por cerca de dez metros. Além disso, semáforos na Avenida Paraíba foram desligados por falta de energia. O Corpo de Bombeiros ainda atendeu a uma solicitação de casa alagada no conjunto habitacional Pedro Moreira.
A subestação da Sanepar no município está parada por falta de energia elétrica. Além disso, ocorreu o assoreamento do Rio Bolívar, o que impede a Companhia de captar a água. Enquanto a energia não for restabelecida, a distribuição não voltará ao normal.
Por isso, devem ficar desabastecidos os bairros das Zonas: 1, 2, 3, 4, 6 e 7, jardins Aquiles Comar, Morada do Sol, Santa Felicidade, Olívio Franzone, São Francisco, Santa Ana, Ilha Bela, Universidade, Ipanema, Paulista, Olímpico, Mega Park, Araucária, Nova Itália, Viviane, Parque do Bosque, Parque das Nações, Veneza, Ilha do Mel, Atlântico e Céu Azul.

De acordo com a Companhia Paranaense de Energia (Copel), em Cianorte 12 mil unidades consumidores ficaram sem energia durante o temporal. Às 10h, 3.118 imóveis ainda permanecem sem luz e a região mais atingida é a área rural. Os municípios de Tapejara, Tuneiras do Oeste, Cidade Gaúcha e Terra Boa também tiveram unidades desligadas.

Já em Umuarama, a ponte do Jardim Petrópolis foi interditada e a ponte do Laranjeiras teve meia pista bloqueada. A Defesa Civil ainda registrou queda de um muro na Rua Piúna, queda de parede de uma casa na Avenida Portugal, e alagamentos de casas nas Avenidas Rio Grande do Norte, Portugal e nas ruas Piuna e Marabá.
A rodovia PR-489, entre Umuarama e Xambrê, foi parcialmente interditada. Ocorreu um deslizamento de areia de uma plantação de cana-de-açúcar sobre a pista. Funcionários da usina responsável estão no local fazendo a limpeza, e por isso, o trânsito está lento.

No município, 1.590 unidades consumidores ficaram sem luz durante a madrugada. Conforme a Copel, às 10h, 291 imóveis permaneciam sem luz. As cidades de Alto Paraíso, Maria Helena, Cruzeiro do Oeste, Nova Olímpia, Xambrê, São Jorge do Patrocínio e Pérola também registraram imóveis sem energia.

Na região centro-oeste, o temporal severo também prejudicou o fornecimento de energia nas cidades de Engenheiro Beltrão, Quinta do Sol, Itambé, Fênix e Janiópolis.

Prefeito e Vice são condenados por abuso de poder

Na tarde desta segunda-feira (24), o Poder Judiciário, através da juíza da 170ª Zona Eleitoral (Comarca de Mamborê), Fernanda Monteiro Sanches,acatou a denuncia apresentada contra Claudinei de Souza Calori e Paulo Rotta por abuso de poder econômico e político.
Nei Calori disputou as eleições 2016, obteve 3004 votos (33,18%),  perdendo a eleição para o ex-prefeito e agricultor Ricardo Radomski, que obteve 4566 (50,43%).
A Juiza da Comarca de Mambore, julgou parcialmente procedente os pedidos iniciais a fim de:
a) condenar  Claudinei Calori de Souza e Paulo Rotta por abuso de poder econômico e político e, via de consequência, declarar sua inelegibilidade pelo prazo de 08 (oito) anos a partir da data das eleições 2016, nos termos do artigo 22, XIV, LC 64/90, com fundamento no artigo 487. “Por abuso de poder, no Direito Eleitoral, compreende-se o mau uso (ou o uso de má-fé) de direito, situação ou posição jurídicas com vistas a se exercer indevida e espúria influência em dada eleição. Para caracterizá-lo, fundamental é a presença de uma conduta em desconformidade com o Direito (que não se limita à lei), podendo ou não haver desnaturamento dos institutos jurídicos envolvidos. No mais das vezes, há a realização de ações ilícitas ou anormais, denotando mau uso de uma situação ou posição jurídicas ou mau uso de bens e recursos detidos pelo agente ou beneficiário ou a eles disponibilizados, isso sempre com o objetivo de influir indevidamente em determinado pleito eleitoral. As eleições em que ocorre abuso de poder resultam indelevelmente corrompidas, maculadas, gerando representação política mendaz, ilegítima, já que destoante da autêntica vontade popular. Por isso, ele deve ser reprimido em suas múltiplas formas, independentemente de sua origem ser econômica, política, social, cultural ou dos meios de comunicação. ” . No caso há afirmação de suposto abuso de poder político e econômico, que teriam maculado a disputa eleitoral, qual seja, do cargo de Prefeito e Vice-Prefeito Municipal da cidade de Mamborê/PR. As condutas a serem averiguadas na presente demanda consistem em:
A) veiculação de propaganda institucional no período vedado junto ao site da prefeitura municipal.
B) utilização de servidores durante o horário de expediente em evento realizado pelo cartório eleitoral.
C) utilização de servidores e bens públicos para realização e veiculação de propaganda eleitoral.
D) veiculação de propaganda institucional irregular.
E) utilização de servidores durante o horário de expediente e de bens públicos para divulgação de propaganda eleitoral pelas redes sociais.
F) utilização de servidor durante o horário de expediente para comitê de campanha eleitoral.  Os documentos demonstram que  servidores se encontravam em atividade junto à municipalidade e, durante o expediente, deixaram seus postos para participar de reunião, representando a coligação e os requeridos Claudinei Calori de Souza e Paulo Rotta, junto ao fórum eleitoral desta Comarca. Apesar das alegações de que referidos servidores estariam de licença, entendo que os documentos juntados aos autos não comprovaram tal fato, já que se referem ao período de férias. Tal conduta, realizada pelos requeridos, violou o disposto artigo 73, inciso III, da Lei 9.504/97. Isto posto, a procedência do pedido é medida que se revela adequada.
Por sua vez, no que tange a utilização de servidores e bens públicos para realização e veiculação de propaganda eleitoral, deve o requerimento prevalecer. Da análise dos servidores que estavam movimentando os maquinários da prefeitura, as duas máquinas atrás do candidato ao pleito majoritário, réu Claudinei Calori de Souza, permanecem imóveis e com os funcionários públicos em seu interior. Não há que se falar tráfego lento dos maquinários, já que em muitos momentos do vídeo eles não se movimentam, não sendo mencionado, sequer comprovado, o motivo de tal inércia. A prova emprestada dos autos de nº 200-70.2016.6.16.0170 em nada contribuíram para a defesa dos requeridos. Tais condutas configuram abuso de poder econômico ou político.

Fonte: Cidade Destaque

Idosa acende vela e provoca incêndio em apartamento


Um apartamento foi destruído por um incêndio na madrugada desta terça-feira (25) em Maringá, no Norte do Paraná. A ocorrência foi registrada na rua Santos Dumont, próximo à avenida São Paulo, no centro da cidade. Segundo um morador, uma vela teria sido acesa, provocando o incêndio. Uma idosa de 60 anos sofreu queimaduras de segundo grau e foi atendida pelas equipes de emergência em saúde. Ela tentava controlar o fogo sozinha. Um jovem também foi encaminhada à Santa Casa com ferimentos. Segundo os socorristas, ambos não correm risco de morte.