Polícia Civil prende acusado de matar menina de seis anos e população tenta invadir delegacia


Moradores de Umuarama, na região oeste do Paraná, se aglomeraram e destruíram carros e a fachada da Delegacia de Polícia Civil para tentar resgatar um réu confesso do homicídio de uma menina de seis anos, na noite desta quarta-feira (28). Ele já cumpria pena desde 2012 pelo homicídio e ocultação de cadáver de uma menina de 15 anos, na região de Pato Branco. Aproveitando o tumulto do lado de fora, os detentos da cadeia pública também se amotinaram e, por até as 9h30 desta quinta-feira (28), ainda negociavam com a Polícia Militar o fim da rebelião. 

O tumulto começou depois que se espalhou, via redes sociais, como Facebook e Whatsapp, a notícia da prisão de Eduardo Leonildo da Silva, até então, suspeito de sequestrar e matar Tábata Fabiana Crespilho da Rosa, de seis anos. Cerca de duas mil pessoas se aglomeraram em frente à delegacia, segundo investigadores de Umuarama.Com o tumulto formado em frente à unidade policial, foram depredados carros particulares, cinco viaturas da Polícia Civil descaracterizada e um caminhão apreendido foi incendiado. O veículo do jornal Umuarama News foi tombado pelos manifestantes. Fotos e vídeos também se alastravam via Whatsapp. Segundo vídeos divulgados por Whatsapp, um carro de outro veículo de comunicação também foi incendiado. A revolta popular transcorreu até por volta das 3h, quando, ainda segundo investigadores, "sobraram apenas os vândalos". 

O interior da delegacia também foi atingido por pedras e tem computadores quebrados. Ainda segundo a Polícia Civil, alguns policiais militares foram feridos com pedradas, mas ninguém com gravidade. 


Dentro da cadeia, os presos aproveitaram e se amotinaram, promovendo quebra-quebra nas galerias. O local de detenção tem cerca de 260 presos, mas capacidade para 64. Segundo a Polícia Civil, os detentos ainda negociavam a rendição com a Polícia Militar na manhã desta quinta.


O início de tudo 

A revolta popular ocorreu após a divulgação da prisão de Eduardo Leonildo da Silva. A Polícia Civil chegou até ele após obter gravações de câmera de segurança que mostram Tábata Fabiana Crespilho da Rosa, de seis anos, entrando no carro dele. Os investigadores afirmam que o veículo foi reconhecido pela própria família, já que Eduardo seria do convívio deles. Ainda de acordo com os investigadores, o suspeito confessou o crime, indicando até mesmo onde o corpo foi enterrado – o local não foi informado pela polícia. 

Eduardo cumpria pena em regime semiaberto pelo homicídio e ocultação de cadáver em 2010. Ele foi condenado em 2012, na comarca de Pato Branco (oeste). 




Fonte: Bonde

Comentários

As mais visitadas

CCJ aprova PEC que exige nível superior para cargos públicos de confiança

Motoristas de carros com câmbio automático podem ganhar CNH específica

Membros do 1º Conselho Municipal da Cultura tomam posse