sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Vereadores de Maringá aprovam mudança de horários das sessões


Os vereadores de Maringá, no noroeste do Paraná, aprovaram, em primeira discussão, a mudança no horário das sessões da Câmara. Pela emenda apresentada, as sessões, que atualmente são realizadas as terças, às 19h, e as quintas-feiras, às 16h, passam para às 9h30. A alteração foi aprovada por 11 parlamentares, três foram contrários e um não compareceu à sessão de quinta-feira (16).
Conforme o projeto que altera a redação de um dos artigos do Regimento Interno da Casa, o objetivo é dar mais transparência ao processo e possibilitar que o cidadão assista ao vivo as sessões por um canal fechado e pela internet.

A emenda ainda deverá ser aprovada em mais duas sessões que estão previstas para ocorrer na terça (21) e quinta-feira (23). Se o resultado das duas votações for favorável, a mudança de horário passa a valer no início de março.


Horário de Verão termina neste fim de semana

O Horário de Verão termina neste fim de semana, fazendo com que o sábado (18) tenha duas meias-noites. À zero hora de domingo, os relógios de dez estados das regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e do Distrito Federal devem ser atrasados em uma hora, voltando a marcar 23 horas. No sistema elétrico operado pela Copel no Paraná, os quatro meses de vigência do Horário de Verão registraram uma redução média de 4,5% na demanda de energia nos fins de tarde, retirando do sistema elétrico 200 MW (megawatts) de potência entre 19 e 22 horas. Tal alívio equivale a desligar, no horário de ponta, uma cidade como Maringá, de 391 mil habitantes. Os dias mais longos do verão possibilitam antecipar a rotina da população – adiantando seus relógios em uma hora – nas regiões do País com grande diferença de luminosidade diurna entre os meses mais quentes e os mais frios. Assim, deixa de coincidir com o consumo da indústria, do comércio e das residências o acionamento automático da iluminação pública. Este descolamento alivia, assim, as condições de operação do sistema elétrico em um dos períodos de maior demanda, entre 18 e 21 horas. "Ao evitar a sobreposição da demanda máxima das diferentes categorias de usuários, esse artifício ameniza a exigência sobre instalações como usinas, subestações e linhas de transmissão em momentos de grande demanda simultânea, garantindo mais segurança operacional e confiabilidade ao funcionamento de todo o sistema elétrico", esclarece o engenheiro Nelson Cuquel, do Centro de Operação do Sistema Elétrico da Copel. Além do alívio para a operação do sistema elétrico no fim do dia, o menor consumo simultâneo de energia no horário também evita o acionamento de usinas térmicas emergenciais, de operação cara e poluente, para garantir o suprimento de energia no horário. 


 Informações, Agência Estadual de Notícias