Laudo confirma que criança morreu após ser estuprada

Imagem Ilustrativa

O delegado Edgar Santana revelou que o laudo referente ao caso da criança de 2 anos que morreu em Ramilândia, com suspeita de ter sido violentada sexualmente, confirmou a conjunção carnal. O caso foi registrado em 23 de fevereiro, quando a criança morreu.

O acusado era padrasto da menina que foi levada por ele ao hospital, onde já chegou morta. Como era um caso suspeito, a polícia foi acionada. O homem foi preso e mesmo diante das evidências (a criança apresentava sangramento e lesões na vagina), ele negou o crime sexual. Em depoimento, o rapaz afirmou que "havia ficado nervoso com o choro da criança e que havia batido na garota, e que durante a surra ele teria introduzido o dedo na vagina da criança". 

O promotor Lincoln Pereira, do Ministério Público de Matelândia, afirmou que o caso já foi denunciado a Vara Criminal. O homem deve responder por feminicídio e estupro de vulnerável com três qualificadoras, motivo torpe, impossibilidade de defesa da vítima e meio cruel. Ainda conforme o MP, "o laudo comprovou conjunção carnal e apontou que a criança morreu em decorrência dos ferimentos externos provocados pela agressão e, sobretudo, pelos ferimentos internos, gerados pela conjunção carnal". 

O suspeito que foi preso logo após o crime e estava custodiado na cadeia pública de Matelândia, foi transferido para uma unidade prisional e Foz do Iguaçu, o local exato não foi divulgado por medidas de segurança. O caso corre em segredo de Justiça. À mãe da criança, a princípio, não foi atribuída culpa. Na época, ela revelou que precisou resolver um problema em outra cidade e por este motivo teria deixado a filha aos cuidados do padrasto. 



Com Informações: Massa News

Comentários

As mais visitadas

OCORRÊNCIAS DO SETOR POLICIAL EM MARINGÁ FINAL DE SEMANA

Ordem de serviço autoriza construção de uma nova Unidade Escolar Estadual em Sarandi

POLÍCIA DE MARINGÁ FLAGRA TÉCNICO DE FUTEBOL ABUSANDO DE MENINA DE 11 ANOS