quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Deputado Takayama (PSC/PR) foi agredido por motorista de Delcídio Amaral (PT/MS)



O deputado Takayama (PSC-PR), 67 anos, foi agredido na noite desta terça-feira (6), na entrada do Congresso, pelo motorista do senador Delcídio Amaral (PT-MS), segundo informou a assessoria da Câmara. Na versão do senador, o motorista levou um tapa no rosto e reagiu com um "safanão". A assessoria do deputado nega que ele tenha cometido a agressão. Takayama teria se desentendido com o motorista do lado de fora da Câmara em razão de um incidente de trânsito. Segundo testemunhas, o deputado levou um soco. Uma poça de sangue ficou na calçada. O episódio ocorreu na entrada principal do Congresso, onde carros costumam se acumular nos dias mais movimentados, em razão do embarque e desembarque de parlamentares. De acordo com a assessoria de imprensa da Câmara, o deputado, que é cardiopata, foi levado para o Departamento Médico da Casa, que constatou "feridas superficiais no nariz e na cabeça". Segundo a assessoria da Câmara, o motorista foi detido pela Polícia do Senado, para registro da ocorrência.

Fonte: G1

TCU rejeita contas de Dilma de 2014 por unanimidade



O plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou nesta quarta-feira (7), por unanimidade, o parecer do ministro Augusto Nardes pela rejeição das contas do governo federal de 2014. Devido a irregularidades, como as chamadas “pedaladas fiscais”, os ministros entenderam que as contas não estavam em condições de serem aprovadas.Esta é a segunda vez na história que o TCU recomenda ao Congresso a rejeição das contas de um presidente. A primeira foi em 1937, durante o governo Getúlio Vargas. Na ocasião, o Congresso não seguiu a recomendação do tribunal.
As irregularidades apontadas pelo TCU somam R$ 106 bilhões, sendo R$ 40 bilhões referentes às chamadas “pedaladas fiscais”.
Para o Nardes, ao adotar manobras para aliviar, momentaneamente, as contas públicas, o governo desrespeitou princípios constitucionais e legais que regem a administração pública federal. O cenário no ano passado foi classificada por ele como de “desgovernança fiscal”.
Em seu voto, o ministro defendeu que houve uma política expansiva de gastos “sem sustentabilidade fiscal e sem a devida transparência”. Para o relator, as operações passaram ao largo das ferramentas de execução orçamentária e financeira instituídas.
“Nessa esteira, entende-se que os atos foram praticados de forma a evidenciar uma situação fiscal incompatível com a realidade”, afirmou.
Segundo o ministro Augusto Nardes, por tratar-se de um parecer prévio, não cabe recurso da decisão no tribunal.
O parecer do TCU será agora encaminhado ao Congresso, que dará a palavra final sobre o tema. Em entrevista coletiva após a votação, Nardes afirmou que o parecer prévio sobre as contas deve ser entregue ao Congresso até quinta-feira (8).
A análise da corte não tem efeito prático, já que funciona como uma recomendação aos parlamentares. A rejeição, porém, poderá ser usada como argumento para abertura de processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Informou G1





DESTAQUE

Ordem de serviço autoriza construção de uma nova Unidade Escolar Estadual em Sarandi

Na tarde da última quinta-feira (04), o Prefeito Walter Volpato (PSDB) recebeu em seu gabinete, o Diretor Presidente do FUNDEPAR – Inst...